Use este identificador para citar ou linkar para este item: repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/10647
Título: Durabilidade de fibrocimento reforçado com polpa de sisal após 10 anos de envelhecimento natural
Autor : Farrapo, Camila Laís
Primeiro orientador: Scolforo, José Roberto Soares
Primeiro coorientador: Tonoli, Gustavo Henrique Denzin
Segundo coorientador: Mendes, Rafael Farinassi
Primeiro membro da banca: Tonoli, Gustavo Henrique Denzin
Segundo membro da banca: Guimarães Júnior, José Benedito
Palavras-chave: Fibrocimento
Carbonatação
Autoclavagem
Fibras sintéticas
Envelhecimento natural
Fiber cement
Carbonation
Autoclaved
Synthetic fibers
Natural aging
Data da publicação: 4-Dez-2015
Referência: FARRAPO, C. L. Durabilidade de fibrocimento reforçado com polpa de sisal após 10 anos de envelhecimento natural. 2015. 86 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Biomateriais)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2015.
Resumo: Materiais de origem cimentícia são tipicamente caracterizados por seu comportamento frágil. Dessa forma, a inserção de fibras como reforço ajuda na absorção de energia do compósito. O material convencional usado como reforço em fibrocimento é o amianto, porém a tendência mundial é rever o uso dessa fibra mineral buscando novas fibras alternativas. O uso de fibras vegetais como reforço em compósitos cimentícios gera grande expectativa, mas a durabilidade desse tipo de compósito ainda é um desafio. Portanto, objetivou-se neste trabalho avaliar o efeito de técnicas (adição de fibras sintéticas, carbonatação e autoclavagem) para o aumento da durabilidade de telhas reforçadas com polpa de sisal. As telhas foram produzidas com processo de drenagem e pressão da suspensão, sendo avaliada a porcentagem de polpa de sisal em associação ou não com fibras de polipropileno e o efeito da carbonatação e da autoclavagem sobre a durabilidade dos compósitos cimentícios. O envelhecimento natural das telhas foi feito pelo período de 10 anos na cidade de Pirassununga/SP. Foram avaliadas as propriedades físicas, mecânicas e microestruturais após10 anos e comparado aos resultados obtidos aos 28 dias. Após o envelhecimento, quanto maior o teor de polipropileno melhor o desempenho das telhas, pois, diferente das fibras vegetais, as fibras sintéticas não degradam no cimento ao longo do tempo. Em relação à carbonatação, mesmo após o envelhecimento, a técnica permitiu a preservação parcial da fibra vegetal em um ambiente alcalino, fato que foi confirmado nos resultados mecânicos, nas imagens de microscopia eletrônica de varredura e na difração de raios X. Aos 28 dias, as telhas autoclavadas obtiveram piores resultados mecânicos comparados às não autoclavadas, mas após 10 anos a autoclavagem se mostrou eficiente e ajudou na preservação do material vegetal na matriz cimentícia.
Abstract: Cementitious materials are typically characterized by their brittle trait. Thus, the insertion of fibers as reinforcement improves the composite’s energy absorption. The conventional material used as reinforcement for fiber cement is asbestos. However, global tendency is to review the use of this mineral fiber. The use of natural fibers as reinforcement in fiber cement generates high expectations, but the durability of this type of composite is still a challenge. Thus, this work aimed at assessing the effect of several techniques (addition of synthetic fibers, carbonation and autoclaving) to increase the durability of reinforced roofing tiles with sisal pulp. The roofing tiles were produced by means of vacuum-pressure process, used to evaluate the percentage of sisal pulp in association or not with polypropylene fibers, as well as the effect of carbonation and autoclaving over the durability of cement composites. The natural aging of the roofing tiles was done over a 10-year period, in the municipality of Pirassununga, São Paulo, Brazil. We evaluated physical, mechanical and microstructural properties after such period, and compared the results to those obtained after 28 days. After aging, the higher polypropylene contents was, the best was the performance of the tiles, given that, unlike natural fibers, synthetic fibers do not degrade the cement over time. Regarding the carbonation, even after aging, the technique allowed the partial preservation of plant fiber in an alkaline environment, fact confirmed in the mechanical results with images obtained by means of scanning electron microscopy and X-ray diffraction. After 28 days, the autoclaved tiles presented the worse outcomes when compared to non-autoclaved. However, after 10 years, autoclaving was efficient and aided in preserving the plant material in the cement matrix.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/10647
Publicador: Universidade Federal de Lavras
Idioma: por
Aparece nas coleções:DCF - Engenharia de Biomateriais – Mestrado (Dissertações)



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.