Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DAG - Departamento de Agricultura >
DAG - Programa de Pós-graduação >
DAG - Agronomia/Fitotecnia - Mestrado (Dissertações) >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/11757

Título: Torta de mamona é tóxica ao nematoide Meloidogyne incognita também pelos compostos orgânicos voláteis
Título Alternativo: Castor cake is toxic to Meloidogyne incognita also for volatile organic compounds
Autor(es): Pedroso, Luma Alaís
Lattes: http://lattes.cnpq.br/1997147377874026
Orientador: Campos, Vicente Paulo
Membro da banca: Pedroso, Márcio Pozzobon
Membro da banca: Freire, Eduardo Souza
Assunto: Biofumigação
Resíduo orgânico
COVs
Fitonematoides
Biofumigation
Organic amendments
VOCs
Plant parasitic nematode
Data de Defesa: 25-Ago-2016
Data de publicação: 13-Set-2016
Agência de Fomento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
Referência: PEDROSO, L. A. Torta de mamona é tóxica ao nematoide Meloidogyne incognita também pelos compostos orgânicos voláteis. 2016. 41 p. Dissertação (Mestrado em Agronomia/ Fitopatologia)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2016.
Resumo: Embora a torta de mamona tenha demonstrado efeito na redução de populações de fitonematoides, ainda pouco se sabe sobre seu modo de ação, principalmente envolvendo a toxicidade de seus compostos orgânicos voláteis (COVs) a esses patógenos. Neste trabalho, buscou-se estudar o efeito direto da torta de mamona em diferentes concentrações misturada ao solo e a ovos de Meloidogyne incognita (MI), bem como o efeito separado dos COVs a ovos e juvenis de segundo estádio (J2) de MI. Em copos plásticos foram colocados solo, torta de mamona e ovos de MI. A umidade foi ajustada para 60% da capacidade de campo e na superfície dessa mistura foram aterrados três microtubos. Os copos foram vedados e colocados em incubadora a 28 °C pelo período de 10 ou 20 dias para formação da câmara de gás (PFCG). No primeiro microtubo foram adicionados 1000 ovos de MI, no segundo e no terceiro foram injetados, com seringa, 100 e 600 J2 de MI, respectivamente, 48 h antes do término dos períodos de incubação (10 e 20 dias). Ao final de 10 e 20 dias a vedação foi retirada e foram avaliados a porcentagem de eclosão de J2 e o número de J2 imóveis e mortos. Nesse momento, foi plantada uma muda de tomateiro por copo e, 40 dias após, foram avaliadas a infectividade e a reprodução. A suspensão do terceiro microtubo (600 J2) foi inoculada em plantas de tomateiro, e após 40 dias, também foram avaliadas a infectividade e a reprodução. A torta de mamona reduziu significativamente a infectividade e a reprodução dos ovos misturados ao solo incorporado com torta de mamona em qualquer concentração de torta já no período de 10 dias. Os COVs que formaram a câmara de gás na superfície da mistura (solo e torta) causaram também imobilidade e mortalidade dos J2, em qualquer PFCG e em todas as concentrações da torta, além da redução da eclosão dos J2 em qualquer concentração da torta, porém, maior no período de 20 dias. A infectividade e a reprodução dos J2 expostos aos COVs foram significativamente reduzidas em todas as concentrações, quando comparadas ao controle, já no período de 10 dias. Através de cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas foram identificadas 32 moléculas voláteis liberadas pela mistura solo e torta de mamona e as cinco que apresentaram maior intensidade foram testadas em J2 de MI. Quatro moléculas (fenol, 4-metil-fenol, γ-decalactona e 3-metil-1H-indol) apresentaram atividade nematicida e CL 50 menor ou igual a 66,3 ± 18,0 mg L -1 . A torta de mamona além de apresentar efeitos nematicidas no solo infestado com MI emite COVs tóxicos a esse patógeno.
Abstract: Although castor cake has shown effect in reducing populations of nematodes, little is known about its mode of action, especially involving the toxicity of their volatile organic compounds (VOCs) to these pathogens. This work aimed to study the direct effect of castor cake in different concentrations mixed with the soil and Meloidogyne incognita (MI) eggs, as well as the separate effect of VOCs on eggs and second stage juveniles (J2) of MI. In plastic cups were placed soil, castor cake and MI eggs. The humidity was adjusted to 60% of field capacity and on the surface of this mixture were digged three microtubes. The cups were sealed and placed in incubator at 28 °C for a period of 10 or 20 days for forming the gas chamber (PFGC). In the first microtube was added 1000 MI eggs, in the second and third were injected with syringe 100 and 600 MI J2, respectively, 48 hours before the end of the incubation periods (10 or 20 days). At the end of 10 and 20 days the plastic cover was removed and were evaluated the percentage hatching of J2 and the number of J2 immobile and dead. At that moment, a tomato seedling was planted in the cup and, after 40 days, were evaluated infectivity and reproduction. The suspension of the third microtube (600 J2) was inoculated on tomato plants and after 40 days were also evaluated infectivity and reproduction. The castor cake in any concentration significantly reduced infectivity and reproduction of eggs mixed with soil in the 10 day period. The VOCs that formed the gas chamber on the surface of the mixture (soil and cake) also caused immobility and death of J2 at any PFGC and all castor cake concentrations, besides reducing the hatching of J2 at any concentration of the castor cake, but greater in the period of 20 days. The infectivity and reproduction of J2 exposed to VOCs were significantly reduced at all concentrations compared to the control, in the period of 10 days. By gas chromatography-mass spectrometry were identified volatile molecules released by the soil mix with castor cake. Five of them showed great intensity and were tested in MI J2. Four molecules (phenol, 4-methylphenol, γ-decalactone and 3-methyl-1H-indole) showed nematicidal activity and LC 50 less than or equal to 66.3 ± 18.0 mg L -1 . Besides the castor cake presents nematicides effects on soil infested with MI it emits toxic VOCs to this pathogen.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/11757
Publicador: Universidade Federal de Lavras
Idioma: por
Aparece nas coleções: DAG - Agronomia/Fitotecnia - Mestrado (Dissertações)

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
DISSERTAÇÃO_Torta de mamona é tóxica ao nematoide Meloidogyne incognita também pelos compostos orgânicos voláteis.pdf691,27 kBAdobe PDFVer/abrir

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback