Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/11886
Título : Variáveis que sustentam o período atual de produção de bioetanol
Título(s) alternativo(s): Variables that support the current period of bioethanol production
Autor: Bragion, Nivaldo
Santos, Antônio Carlos dos
Palavras-chave: Bioetanol
Proálcool
Veículo flex
Combustível limpo
Álcool como combustível
Bioethanol
Proálcool
Flex vehicle
Clean fuel
Alcohol as fuel
Publicador: Universidade de São Paulo
Data da publicação: Jan-2012
Referência: BRAGION, N.; SANTOS, A. C. dos. Variáveis que sustentam o período atual de produção de bioetanol. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 9, n. 1, p.126-140, jan./mar. 2012.
Resumo : A produção de bioetanol no Brasil ganhou um grande impulso nos últimos anos. Os números mostram que a produção saltou de pouco mais de 10 bilhões de litros no início dos anos 2000 para 27,5 bilhõesde litros em 2009. Nos anos 70 a produção de bioetanol teve um impulso semelhante, mas entrou em crise a partir de 1986. Diante do ocorrido cabe fazer algumas perguntas: A produção de bioetanol poderá entrar em crise à semelhança do que ocorreu no Proálcool? Que variáveis que sustentam o período atual de produção de bioetanol e estas são diferentes daquelas que sustentavam o Proálcool? O objetivo deste artigo foi identificar variáveis que, nas perspectivas dos principais agentes da cadeia produtiva de bioetanol na microrregião de Piracicaba-SP, provocaram a crise do Proálcool e verificar se existem variáveis que podem sustentar o crescimento atual. A pesquisa, de natureza quantitativa, foi realizada com os agentes que produzem e distribuem o produto. Foi constatado que duas variáveis provocaram a crise do Proálcool: a queda do preço do petróleoe o pequeno interesse internacional pelo etanol. E seis variáveis: vendas de veículos flexfuel, acordos de redução de emissões de dióxido de carbono para conter o aquecimento global que estão motivando a substituição do álcool pela gasolina, novas tecnologias como: uso de bagaço de cana para a produção de álcool e energia elétrica, experiência desenvolvida no Proálcool, exigências legais para adição de álcool a gasolina em vários países do mundoe interesse internacional pelo etanol brasileiro, que não estavam presentes na época do Proálcool, estão sustentando o crescimento de produção do bioetanol atualmente no Brasil. Dessa forma, conclui-se que, segundo a ótica dos envolvidos com o setor, a produção de álcool combustível não irá desacelerar como ocorreu no Proálcool.
Abstract: The production of bioethanol in Brazil has received a big boost in recent years. The figures show that production jumped from just over 10 billion liters in the early 2000s to 27.5 billion liters in 2009. In the 1970s, the production of bioethanol had a similar impulse, but fell into crisis after 1986. In the face of this, questions arose: Might the production of bioethanol enter into a crisis similar to that which occurred in the Alcohol Program (Proálcool)? What variables that underpin the current period of bioethanol production are different from those that supported the Alcohol Program? The aim of this paper was to identify variables which, from the perspectives of key players in the chain of bioethanol production in the microregion of Piracicaba-SP, caused the crisis of Proálcool, and to see if there are variables that can sustain the current growth. The research, which was quantitative, was performed with agents that produce and distribute the product. It was found that two variables caused the crisis of the Alcohol Program: the falling price of oiland little international interest in ethanol.And six variables, i.e. flex-fuel vehicle sales, agreements to reduce emissions of carbon dioxide to slow global warming that are driving the substitution of gasoline for ethanol,new technologies such as the use of bagasse for the production of alcohol and electricity, the experience amassed from the Alcohol Program, legal requirements for adding alcohol to gasoline in many countriesand international interest in Brazilianethanol,which were not present at the time of the Alcohol Program, are sustaining the growth of bioethanol production in Brazil today. Thus, we conclude that, from the perspective of those involved with the industry, the production of ethanol fuel will not slow, as occurred in the period of the Alcohol Program.
URI: http://www.revistas.usp.br/rai/article/view/79253/83324
http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/11886
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções:DAE - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.