Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/12414
metadata.artigo.dc.title: Intoxicação por antibiótico ionóforo em ruminantes alimentados com varredura de fábrica de ração: relato de caso
metadata.artigo.dc.creator: Resende, Anaise Emanuele
Lima, Pâmela Aparecida
Varaschin, Mary Suzan
Bezerra Júnior, Pedro Soares
Wouters, Angélica Terezinha Barth
Seixas, Josilene Nascimento
metadata.artigo.dc.subject: Bovinos - Miopatia tóxica
Bovinos - Nutrição
Monensina
Antibióticos ionóforos
metadata.artigo.dc.publisher: Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia
metadata.artigo.dc.date.issued: Jul-2015
metadata.artigo.dc.identifier.citation: RESENDE, A. R. et al. Intoxicação por antibiótico ionóforo em ruminantes alimentados com varredura de fábrica de ração: relato de caso. Veterinária Notícias, Uberlândia, v. 21, n. 2, p. 28-32, jul. 2015.
metadata.artigo.dc.description.resumo: Antibióticos ionóforos (AI) são fármacos utilizados em animais, principalmente como coccidiostáticos e promotores de crescimento. Podem causar intoxicação aguda ou crônica, induzindo lesões musculares esqueléticas e/ou cardíacas. São descritos os aspectos epidemiológicos, clínicos e patológicos de um surto de intoxicação por AI em ovinos e bovinos que receberam sobras provenientes de uma fábrica de ração (popularmente conhecidas como varredura). Quatro horas após acesso à ração contaminada alguns ovinos foram encontrados mortos e vários outros estavam doentes. Os bovinos manifestaram sinais um dia após ingestão da ração, com morte após 4 a 20 dias. Estas consistiam em inapetência, fraqueza, relutância em movimentar-se, incoordenação, dispneia, decúbito lateral e morte. Morreram 61 ovinos (42,36% do rebanho) e oito bovinos jovens (24,24% do lote). Duas ovelhas doentes foram encaminhadas ao Setor de Patologia Veterinária da Universidade Federal de Lavras (SPV/DMV/UFLA). Devido à gravidade do quadro clínico foram submetidas a eutanásia. Na necropsia observaram-se áreas pálidas na musculatura, caracterizadas histologicamente por graus variáveis de necrose e regeneração em músculos esqueléticos e cardíaco. A análise cromatográfica (HPLC) de uma amostra da ração utilizada revelou 97,14 mg de monensina/kg de ração. O diagnóstico baseou-se nos achados epidemiológicos, clínicos, lesões macro e microscópicas e na análise toxicológica da ração oferecida aos animais. Embora a utilização de “varredura de fábrica de ração” pareça uma opção economicamente interessante aos produtores ela oferece riscos e não é recomendada.
metadata.artigo.dc.identifier.uri: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/12414
metadata.artigo.dc.language: pt_BR
Appears in Collections:DMV - Artigos publicados em periódicos



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons