Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/12518
Título : Digestibilidade intestinal in vitro da proteína de coprodutos da indústria do biodiesel
Título(s) alternativo(s): Intestinal protein digestibility of by-products from biodiesel industry
Autor: Couto, G. S.
Silva Filho, J. C.
Corrêa, A. D.
Silva, E. A.
Pardo, R. M. P.
Esteves, C.
Palavras-chave: Rúmen
Oleaginosas
Proteína degradável
Proteína digestível
Proteína não degradável
Degradable protein
Digestible protein
Undegradable protein
Publicador: Universidade Federal de Minas Gerais
Data da publicação: Out-2012
Referência: COUTO, G. S. et al. Digestibilidade intestinal in vitro da proteína de coprodutos da indústria do biodiesel. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v. 64, n. 5, p. 1216-1222, out. 2012.
Resumo : Determinou-se a digestibilidade intestinal (DI) da proteína de vários coprodutos do biodiesel nas formas de farelo e torta. Foram avaliados oito coprodutos: tortas e farelos de pinhão manso, nabo forrageiro, tremoço, algodão. Os coprodutos foram incubados no rúmen por 16 horas, e os resíduos não degradados no rúmen submetidos à digestão enzimática com solução de pepsina e pancreatina para a determinação da DI. Ainda, nos resíduos da incubação ruminal, foram determinadas: degradabilidade da matéria seca (DR), proteína degradável no rúmen (PDR) e proteína não degradável no rúmen (PNDR). A digestibilidade intestinal da proteína para os coprodutos do biodiesel variou de 2,4 a 48,6%. Todos os coprodutos avaliados caracterizaram-se como alimentos de alto teor proteico, sendo considerados de alta PDR, e apresentaram baixa digestibilidade intestinal da proteína. A DI da proteína dos coprodutos do biodiesel na forma de torta foi maior em comparação com a dos farelos. A torta e o farelo de algodão apresentaram os maiores coeficientes de DI.
Abstract: The objective of this research was to determine intestinal protein digestibility (ID) of some biodiesel byproducts in the form of cakes and the meals. Eight by-products were: cakes and meals of physic nut, turnip, lupine, cotton cake, cottonseed meal. The by-products were incubated in the rumen for 16 hours, were the undegradable rumen residues were submitted to enzymatic digestion with pepsin and pancreatin solution for the determination of ID. In the incubation residues the following was also determined: dry matter degradability (RD), rumen degradable protein (RDP) and rumen undegradable protein (RUP). The intestinal protein digestibility of biodiesel by-products ranged from 2.4 to 48.6%. All the by-products evaluated in this study were characterized as high protein sources and were considered high-RDP. The by-products presented low intestinal protein digestibility. The ID protein of biodiesel by-products was higher in the cakes than the meals. The by-products evaluated, the cottonseed cake and meal presented the highest ID coefficients.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/12518
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções:DQI - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_Digestibilidade intestinal in vitro da proteína de coprodutos da indústria do biodiesel.pdf149,48 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons