Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/12812
Título : Activity of fungal phytases stored in two ways in response to the period of storage at room temperature
Título(s) alternativo(s): Atividade de fitases fúngicas armazenadas de duas maneiras em resposta ao período de armazenamento à temperatura ambiente
Autor: Naves, Luciana de Paula
Corrêa, Angelita Duarte
Bertechini, Antônio Gilberto
Gomide, Elisangela Minati
Abreu, Celeste Maria Patto de
Palavras-chave: Aspergillus niger
Aspergillus oryzae
Phytic acid
Ácido fítico
Fitases fúngicas
Fungal phytases
Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Data da publicação: Jan-2012
Referência: NAVES, L. de P. et al. Activity of fungal phytases stored in two ways in response to the period of storage at room temperature. Ciência Rural, Santa Maria, v. 42, n.1, p.178-183, jan. 2012.
Resumo : Dois experimentos distintos foram realizados simultaneamente com fitases de Aspergillus oryzae e A. niger para a determinação da atividade enzimática em resposta ao período de armazenamento (por até 180 dias em temperatura ambiente - TA). No primeiro experimento, as enzimas foram armazenadas como adquiridas (forma pura) e a atividade foi determinada periodicamente durante 180 dias de armazenamento em TA. No segundo experimento, as fitases foram incorporadas a um suplemento contendo vitaminas, minerais e aminoácidos. Então este suplemento foi armazenado em TA por até 180 dias, de modo que, a cada 30 dias de armazenamento, uma alíquota de cada repetição foi coletada para a determinação da atividade enzimática. Conclui-se que a atividade da fitase é afetada pela duração do armazenamento. Para assegurar 80% da atividade inicial, as fitases de A. oryzae e A. niger podem ser armazenadas nas formas pura por até 53 e 135 dias em TA, respectivamente. Entretanto, se as fitases de A. oryzae e A. niger são incorporadas a um suplemento contendo vitaminas, minerais e aminoácidos, o período de armazenamento em TA não deve exceder 67 e 77 dias, respectivamente.
Abstract: Two distinct experiments were conducted simultaneously with phytases of Aspergillus oryzae and A. niger for determining enzyme activity in response to storage period (up to 180 days at room temperature - RT). In the first experiment, enzymes were stored as they were acquired (pure form) and the activity was measured periodically during 180 days of storage at RT. In the second experiment, the phytases were incorporated to a supplement containing vitamins, minerals, and amino acids; and then this supplement was stored at RT up to 180 days, so that every 30 days of storage was collected one aliquot from each replicate for determining enzymatic activity. In conclusion, the phytase activity is affected by storage duration. To ensure 80% of the initial activity, the phytases of A. oryzae and A. niger can be stored in the pure forms for up to 53 and 135 days at RT, respectively. However, if the phytases of A. oryzae and A. niger are incorporated to a supplement containing vitamins, minerals, and amino acids then the storage period at RT should not exceed 67 and 77 days, respectively
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/12812
Idioma: en
Aparece nas coleções:DZO - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_Activity of fungal phytases stored in two ways in response to the period of storage at room temperature.pdf88,42 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons