Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DQI - Departamento de Química >
DQI - Artigos publicados em periódicos >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/13352

Título: Histochemistry and morphoanatomy study on guava fruit during ripening
Título Alternativo: Histoquímica e morfoanatomia em frutos de goiaba durante amadurecimento
Autor(es): Abreu, José Renato de
Santos, Custódio Donizete dos
Abreu, Celeste Maria Patto de
Castro, Evaristo Mauro de
Assunto: Goiaba - Amadurecimento
Pectina
Goiaba - Firmeza
Guava - Maturing
Pectin
Guava - Firmness
Publicador: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos
Data de publicação: Jan-2012
Referência: ABREU, J. R. de et al. Histochemistry and morphoanatomy study on guava fruit during ripening. Food Science and Technology, Campinas, v. 32, n. 1, p. 179-186, jan./mar. 2012.
Resumo: A goiaba (Psidium guajava L.) é um fruto altamente perecível devido ao seu intenso metabolismo durante o amadurecimento. As informações sobre a atividade das enzimas que degradam substâncias pécticas, bem como a quantidade de pectina, são bem contraditórias e não claramente definidas. Assim, objetivou-se monitorar as mudanças ocorridas no fruto durante o amadurecimento, por meio de processos histoquímicos, físico e de microscopia de varredura. Foram colhidas goiabas no estágio "de vez" e armazenadas por 9 dias a uma temperatura de 22 ± 1 °C e UR de 78% ± 1%. As análises realizadas no dia da colheita (dia 0) e a cada dia do armazenamento (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8 dias) foram: firmeza, análises histoquímicas (cloreto férrico, lugol, comassie blue, vanilina clorídrica e vermelho de rutênio) observadas em microscópio ótico e análise em microscópio eletrônico de varredura. O vermelho de rutênio mostrou grande quantidade de pectina na parede celular no dia zero e a diminuição desta, da parede, no decorrer do amadurecimento e seu acúmulo na região central da célula. A microscopia de varredura mostrou a perda da estrutura celular com o amadurecimento. Essas observações sugerem que a pectina é o principal polímero responsável pela manutenção da firmeza na goiaba.
Abstract: Guava (Psidium guajava L.) is a highly perishable fruit due to its intense metabolism during ripening. Information on the enzyme activities that degrade pectic substances, as well as the amount of pectin, is very contradictory and not clearly defined. Thus, this study aimed to monitor the changes occurred in the fruit during ripening through histochemical, physical, and scanning microscopy processes. Guavas were picked at the half-mature stage and stored for 9 days at 22 ± 1 °C and 78 ± 1% RH. The analyses conducted on the day of harvest (0) and each day of storage (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, and 8 days) were: firmness and histochemical analyses (ferric chloride, lugol, comassie blue, vanillin hydrochloric, and ruthenium red) observed under an optic microscope and a scanning electron microscope. Ruthenium red showed a high amount of pectin in the cell wall on day zero as well as its decrease in the wall during ripening and its accumulation in the central area of the cell. Scanning microscopy showed loss of the cell structure during ripening. Those observations suggest that the pectin is the main polymer responsible for firmness maintenance in the guava fruit.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/13352
Idioma: en_US
Aparece nas coleções: DQI - Artigos publicados em periódicos

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
ARTIGO_Histochemistry and morphoanatomy study on guava fruit during ripening.pdf5,33 MBAdobe PDFVer/abrir

Este item está licenciado com Licença Creative Commons
Creative Commons

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback