Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DFP - Departamento de Fitopatologia >
DFP - Programa de Pós-graduação >
DFP - Agronomia/Fitopatologia - Doutorado (Teses) >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/1897

Título: Estudos epidemiológicos e diagnose molecular da sigatoka-negra
Autor(es): Uchôa, Cleilson do Nascimento
Orientador: Pozza, Edson Ampélio
Membro da banca: Castro, Hilário Antônio de
Figueira, Antonia dos Reis
Salgado, Sônia Maria de Lima
Área de concentração: Fitopatologia
Assunto: Paracercospora fijiensis
Banana
Epidemiologia
Epidemiology
Data de Defesa: 28-Mai-2010
Data de publicação: 31-Jul-2014
Referência: UCHÔA, C. do N. Estudos epidemiológicos e diagnose molecular da sigatoka-negra. 2010. 106 p. Tese (Doutorado em Fitopatologia) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2010.
Resumo: A diversidade dos isolados de Mycosphaerella fijiensis e a disseminação dos esporos são influenciadas por fatores ambientais possibilitando ocorrer diferentes graus de virulência nas diversas condições climáticas. Além da suscetibilidade natural das principais variedades, podendo a nutrição mineral influenciar a incidência e a severidade da doença. Objetivou-se, com a realização deste trabalho: comparar a morfologia e a patogenicidade de isolados de M. musicola com isolado de M. fijiensis e testar primers de microssatélite específicos da espécie M. musicola e a sua diferenciação com isolados de M. fijiensis, oriundos de diferentes regiões do Brasil; verificar a dispersão sazonal de esporos de M. fijiensis, no Vale do Ribeira, SP; avaliar os efeitos da temperatura e do molhamento foliar no processo infeccioso da sigatoka-negra. Os isolados de Lavras, MG, Vianopolis-Maça, Goiás, Dourado, MS e Missal, PR apresentaram habilidade para penetrar e colonizar o tecido do hospedeiro, de forma semelhante ao isolado de Registro, SP, exibindo os sintomas típicos da sigatoka-negra, mas sem a mesma severidade. O primer MmSSR 34 pode ser empregado na diferenciação entre M. musicola e M. fijiensis com precisão e eficiência, mesmo ocorrendo infecção mista entre os patógenos. As variáveis climáticas mais associadas ao progresso da doença foram a pluviosidade e a temperatura. As altas severidades observadas são causadas, predominantemente, por ascósporos. O progresso da doença ajustou-se melhor ao modelo monomolecular tanto na época das chuvas quanto na época seca. Foi possível correlacionar a concentração de ascósporos com a severidade da doença após 15 dias das contagens. As condições ótimas para o estabelecimento da doença situam-se entre 24°C e 27°C, com 24 horas de molhamento foliar. Ajustou-se o semivariograma isotrópico esférico para sigatoka-negra com moderada dependência espacial e alcance de 25,26 m. Os Mapas de krigagem demonstraram um padrão agregado e da relação negativa da severidade da doença com os teores de potássio e o boro, e positiva com teores de ferro, magnésio e enxofre no solo.
Spore isolate and dissemination diversity of Mycosphaerella fijiensis are influenced by environmental factors making possible the occurrence of different degrees of virulence in various climatic conditions, besides the natural susceptibility of the main varieties, enabling the mineral nutrition to influence the incidence of the disease. The objective of this work was to compare the morphology and pathogenicity of isolates of M. musicola with isolates of M. fijiensis. To test specific microsatellite primers of the species M. musicola for their differentiation with M. fijiensis isolates, originating from of different areas of Brazil. To verify the seasonal dispersion of spores of M. fijiensis, in Vale do Ribeira, São Paulo. To evaluate the effects of the temperature and the foliar wetting on the infectious process of Black Sigatoka. To conduct geostatistic modelling of the Black Sigatoka and to verify its relationship with the soil fertility, in Vale do Ribeira, São Paulo. The isolates of Lavras-MG, Vianopolis-Maça, Goiás, Dourado, MS and Missal-PR presented ability to penetrate and colonize the tissue of the host similar to the isolates of Registro-SP, exhibiting the typical Black Sigatoka symptoms, but all the isolates presented ability to penetrate and colonize the host, however, without the same severity. The primer MmSSR 34 can be employed in the differentiation between M. musicola and M. fijiensis accurately and efficiency even with mixed infection between the pathogens occurring. The climatic variables most associated to the disease progress were rainfall and temperature. The high severities observed are predominantly caused by ascospores. The progress of the disease adjusted to the monomolecular model in the rainy period as well as in the dry period. It is possible to correlate the ascospore concentration with the severity of the disease after 15 days of countings. The ideal conditions for the establishment of the disease are located between 24°C and 27°C, with 24 h of foliar wetting. The isotropic spherical semivariogram was adjusted for Black Sigatoka with moderate space dependence and reach of 25.26 m. The kriging maps demonstrated an aggregate pattern and negative relationship of the severity of the disease to potassium and B, and positive with levels of F, Mn and S in the soil.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/1897
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções: DFP - Agronomia/Fitopatologia - Doutorado (Teses)

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
TESE_Estudos epidemiológicos e diagnose molecular da sigatoka-negra.pdf923,23 kBAdobe PDFVer/abrir

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback