Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DZO - Departamento de Zootecnia >
DZO - Programa de Pós-graduação >
DZO - Zootecnia - Mestrado (Dissertações) >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2303

Título: Uso de ractopamina e níveis de energia para suínos machos castrados, imunocastrados e fêmeas em terminação.
Título Alternativo: Use of ractopamine and energy levels for barrows, immunocastrated males and gilts at finishing phase.
Autor(es): Barbosa, Carlos Enrique da Trindade
Orientador: Lima, José Augusto de Freitas
Coorientador(es): Rodrigues, Paulo Borges
Sousa, Raimundo Vicente de
Membro da banca: Zangerônimo, Márcio Gilberto
Cantarelli, Vinícius de Souza
Área de concentração: Produção e nutrição de monogástricos
Assunto: Aditivos
Imunocastração
Modificador de carcaça
Nutrição
Sexo
Additives
Immunocastration
Carcass modifier
Nutrition
Sex
Data de Defesa: 22-Jul-2010
Data de publicação: 6-Ago-2014
Referência: BARBOSA, C. E. da T. Uso de ractopamina e níveis de energia para suínos machos castrados, imunocastrados e fêmeas em terminação. 2010. 134 p. Dissertação (Mestrado em Zootecnia)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2010.
Resumo: Dois experimentos foram conduzidos para avaliar a suplementação com ractopamina (RAC) associada ou não aos níveis de energia metabolizável em rações sobre o desempenho, a qualidade de carcaça e a viabilidade econômica de suínos machos castrados (MC), machos imunocastrados (MI) e fêmeas (F). No experimento I, foram utilizados 48 animais híbridos, com peso inicial de 92,1 ± 2,4 kg. O delineamento foi inteiramente casualizado em arranjo fatorial 3 x 2, sendo três categorias sexuais (MC, MI e F) e dois níveis de RAC (0 e 10 ppm), totalizando seis tratamentos. No experimento II, foram utilizados 72 animais híbridos, com peso inicial de 92, 1 ± 2,6 kg. O delineamento foi inteiramente casualizado em arranjo fatorial 3 x 3, sendo três categorias sexuais (MC, MI e F) e três níveis de EM (3150, 3300 e 3450 kcal/kg), totalizando nove tratamentos. Em ambos os experimentos utilizaram-se oito repetições contendo um animal na parcela. Ao final do período experimental (28 dias), os suínos foram abatidos e a carcaça esquerda foi resfriada e avaliada. Observou-se no experimento I, na 1ª e 2ª fases (1-14 e 14-28 dias) do experimento, melhora (P<0,05) no ganho de peso diário e na conversão alimentar dos animais que receberam dietas com o aditivo. Na 2ª fase do foi observado melhor (P<0,05) ganho de peso diário e na conversão alimentar em MI quando comparados aos MC e F. Houve interação (P<0,05) na profundidade de lombo e na área de olho de lombo, para ambas as variáveis na ausência do aditivo a F obteve melhor resultado que o MI, enquanto nas dietas com o aditivo as categorias alcançaram resultados semelhantes. A RAC melhorou (P<0,05) o rendimento de filezinho para todas as categorias sexuais. No experimento II, observou-se na 1ª fase (1-14 dias) maior (P<0,05) ganho de peso no nível de energia 3300 quando comparado ao 3150 e melhores (P<0,05) conversões alimentares nos níveis de energia 3300 e 3450 quando comparadas ao nível de energia 3150. Os MI e F apresentaram melhores (P<0,05) conversões alimentares que os MC na 1ª e 2ª fases. Na 2ª fase (1-28 dias) o ganho de peso diário foi maior (P<0,05) nos níveis de energia 3300 e 3450 quando comparado ao nível de energia 3150, e houve melhora (P<0,05) na conversão alimentar na ordem 3450>3300>3150 kcal/kg. Foi observado também maior (P<0,05) ganho de peso diário em MI quando comparado ao MC. Os MI e F apresentaram melhores (P<0,05) rendimentos de carne e índice de bonificação que os MC. Dessa forma, conclui-se que a RAC melhorou o desempenho de MC, MI e F nas duas fases do experimento e melhorou a carcaça dos MI aumentando a profundidade e área de olho de lombo. A imunocastração melhorou o desempenho em relação somente aos MC.Quanto ao nível de EM, ao final do experimento concluiu-se que 3150 kcal/kg foi suficiente para melhorar a carcaça de todas as CS. Para o desempenho o melhor nível para todas as CS foi 3300 kcal/kg na 1a fase e 3450 kcal/kg na 2ª fase. Para a viabilidade econômica o nível 3150 kcal/kg proporcionou o menor custo total, podendo-se afirmar que a RAC aumentou a receita líquida de MC, MI e F, o nível 3450 kcal/kg foi mais lucrativo que os demais, e que a produção de F foi mais lucrativa que do MC e MI.
Two experiments were conducted to evaluate supplementation with ractopamine (RAC) with or without the levels of metabolizable energy in diets on performance, carcass quality and economic viability of barrows (MC), immunocastrated males (MI) and gilts ( F). In experiment I, 48 hybrids animals were used with an initial weight of 92.1 ± 2.4 kg. The study design was totally randomized in arranged according to a 3 x 2 factorial, with the three different physiologic conditions (MC, MI and F) and two levels of RAC (0 and 10 ppm), comprising six treatments. In experiment II, 72 hybrids animals were used with an initial weight of 92, 1 ± 2.6 kg. The study design was totally randomized in arranged according to a 3 x 3 factorial, with the three different physiologic conditions (MC, MI and F) and three levels of metabolizable energy (3150, 3300 and 3450 kcal / kg), comprising nine treatments. Both experiments were conducted with eight repetitions represented by the number of animals. After the experimental period (28 days), the swine were killed and the left carcasses were frozen and evaluated. In experiment one was observed, on the first and second phases (1-14 and 14-28 days) of the experiment, presented significant improvement (P <0.05) in daily gain and feed conversion of pigs fed diets with the additive. At the end of performance evaluation, MI were more (P<0.05) efficient than the other genders. Considering the animals that were not treated with RAC, the variables loin depth and loin eye area, showed better results for F than for MI (P<0.05), differently, all animals under RAC supplementation reached the same results. RAC increased tenderloin yield for all genders. In experiment II in the first phase, the daily weight gain and feed conversion were higher for 3300 kcal/kg (P<0.05) when compared to 3150 kcal/kg and better (P <0.05) feed conversion for 3300 and 3450 kcal/kg when compared to 3150 kcal/kg. The MI and F had better (P <0.05) feed conversion than the MC in the first and second phases. In second phase, the daily weight gain was higher (P<0.05) for 3300 and 3450 kcal/kg when compared to 3150 kcal/kg. However, relating to feed conversion, the increasing sequence of EM means was 3450>3300>3150 kcal/kg. It was observed higher (P <0.05) daily weight gain in MI when compared to MC. Independently of the EM, MI and F presented better results for meat yield (p<0.05) and allowance index than MC.Thus, were conclude that the RAC has improved the performance of MC, MI and F in both phases of the experiment and improved carcass from MI enhancing depth and loin eye area. The immunocastration improved performance against MC. Regarding the level of EM at the end of the experiment it was concluded that 3150 kcal/kg was enough to improve carcass quality for all CS. For optimum performance the level for all CS was 3300 kcal/kg in the first phase and 3450 kcal/kg in the second phase. For the economic viability level 3150 kcal/kg provided the lowest total cost, and we can say that RAC increased the net earnings of MC, MI and F, the level of 3450 kcal/kg was more profitable than others, and that F production was more profitable than the MC and MI.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2303
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções: DZO - Zootecnia - Mestrado (Dissertações)

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
DISSERTAÇÃO_Uso de ractopamina e níveis de energia para suínos machos castrados, imunocastrados e fêmeas em terminação.pdf826,01 kBAdobe PDFVer/abrir

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback