Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DBI - Departamento de Biologia >
DBI - Programa de Pós-graduação >
DBI - Ecologia Aplicada - Mestrado (Dissertações) >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2383

Título: Ecologia de populações e biologia reprodutiva em Hyalella (Crustacea, Amphipoda, Hyalellidae)
Título Alternativo: Population ecology and reproductive biology in Hyalella (Crustacea, Amphipoda, Hyalellidae)
Autor(es): Pereira, Rafaela Bastos
Orientador: Bueno, Alessandra Angélica de Pádua
Membro da banca: Castiglioni, Daniela da Silva
Ribas, Carla Rodrigues
Área de concentração: Ecologia e Conservação de Recursos em Paisagens Fragmentadas de Agrossistemas
Assunto: Dinâmica populacional
Período reprodutivo
Produção de ovo
Hyalella longistila
Fecundidade
Dinâmica de população
Sucesso de pareamento
Sucesso reprodutivo
Egg production
Anfípodo
Pairing succes
Reproductive succes
Hyalella carstica
Population dynamic
Breeding period
Fecundity
Data de Defesa: 3-Fev-2014
Data de publicação: 2014
Agência de Fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Referência: BASTOS, R. P. Ecologia de populações e biologia reprodutiva em Hyalella (Crustacea, Amphipoda, Hyalellidae) . 2014. 113 p. Dissertação (Mestrado em Ecologia Aplicada - Ecologia e Conservação de Recursos em Paisagens Fragmentadas de Agrossistemas) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2014.
Resumo: O gênero Hyalella tem sido amplamente estudado nos últimos anos, especialmente quanto à sua taxonomia. Pouco se conhece da biologia e ecologia deste gênero, principalmente com relação às espécies brasileiras. Assim sendo, buscou-se s elucidar com o presente trabalho, a ecologia de populações e a biologia reprodutiva de H. longistila e H. carstica. Ambas são encontradas no estado de Minas Gerais, Sudeste do Brasil, em distintos córregos, porém, H. carstica habita um corpo d’água intermitente. Em ambos os córregos foram coletadas as macrófitas ou o substrato contido abaixo destas, durante vinte minutos, os quais foram minuciosamente triados ainda em campo. Todos os indivíduos foram preservados em etanol 70%, e fêmeas ovígeras e casais em pré-cópula foram individualizados em micro túbulos. No laboratório classificou-se estes crustáceos em machos, fêmeas, fêmeas ovígeras ou juvenis e cada indivíduo foi medido quanto ao comprimento do cefalotórax (CL), comprimento total (TL) e no caso de fêmeas ovígeras também a largura do marsúpio (MW). Adultos predominaram, na maioria dos meses, na população de H. longistila, enquanto os juvenis de H. carstica foram predominantes antes do período seco do córrego (Setembro a Novembro) e os adultos foram mais abundantes após. A razão média CL/TL de juvenis foi superior à dos adultos em ambas as espécies, sugerindo que esta razão seja utilizada como um indicativo da fase adulta junto de outros parâmetros. A razão sexual média total de ambas as populações foi de 1 macho : 0,75 fêmeas, sendo que esta razão favoreceu as fêmeas de H. longistila nos meses de verão e machos no restante do ano, e em H. carstica os machos predominaram o ano todo. A reprodução de H. longistila foi contínua e H. carstica reproduziu-se mais intensamente depois da seca, quando se sugeriu que ocorra a recolonização do local por adultos provenientes de centros de abundância populacional à montante. Em relação aos fatores ambientais, um efeito positivo e independente da temperatura sobre a abundância e de oxigênio dissolvido sobre a frequência de fêmeas ovígeras foi observada na população de H. longistila, enquanto a frequência de fêmeas ovígeras de H. carstica foi influenciada pela temperatura e condutividade. No geral, adultos pareados apresentaram maior CL que os não pareados em ambos os sexos e espécies. A fecundidade média de H. longistila foi 12,88 ± 2,00 ovos/fêmea e a de H. carstica foram 12,60 ± 7,20 ovos/fêmea. Diferenças foram observadas em relação ao número de ovos das fêmeas de H. longistila quando consideramos diferentes estágios de desenvolvimento, mas não para H. carstica. O estágio e número de ovos estavam correlacionados nas fêmeas de H. longistila, mas não em H. carstica. O volume médio dos ovos no primeiro estágio não diferiu entre espécies, mas nos estágios 2 e 3 sim. Uma relação linear foi observada entre o número de ovos no Estágio 1 e o tamanho da respectiva fêmea ovígera em ambas as espécies. O sucesso reprodutivo de H. carstica foi maior em classes de tamanho intermediárias, enquanto para fêmeas de H. longistila houve um aumento progressivo no sucesso à medida que aumentava o tamanho das fêmeas. Diferenças foram observadas entre as dinâmicas populacionais e a biologia reprodutiva das duas espécies. As distintas condições (especialmente do regime hídrico) sob as quais H. longistila e H. carstica foram encontradas podem ter ocasionado tais diferenças, no entanto, as peculiaridades da biologia de cada espécie também podem ter influenciado os resultados. Além disso, as coletas foram feitas em épocas diferentes, o que também pode ter sido um fator causal para as diferenças observadas. As informações geradas por este trabalho são importantes para subsidiar trabalhos futuros com estes anfípodos, assim como também para práticas conservacionistas para eles e para o ecossistema em que estão inseridos.
Abstract: The genus Hyalella has been widely studied in the last years, especially their taxonomy. Little is known about the biology and ecology of this genus, particularly in respect to Brazilian species. Thus, we aimed to elucidate in the present work the population ecology and reproductive biology of H. longistila and H. carstica. Both are found on the state of Minas Gerais, Southeastern Brazil, in distincti streams, and H. carstica inhabits na intermittent waterbody. In both streams we collected macrophytes or the substrate above them during twenty minutes, and the animals were thoroughly separated from the sediment in the field. All individuals were preserved on etanol 70% and ovigeorus females and couples were individualized in microtubules. In the laboratory we classified such crustaceans in males, females, ovigerous females or juveniles and measured each individual in relation to the cephalothorax length (CL), total body length (TL) and in the case of ovigerous females the marsupium width (MW) also was measured. Adults predominated in most of the months on the H. longistila population, while juveniles of H. carstica predominated before the dry period of the stream (September to November) and adults were more abundant after it. The mean ratio CL/TL of juveniles was superior to the adults in both species, thus suggesting that such ration may be used as an indicative of the adult phase together with other parameters. The mean total sex ratio of both populations was 1 male : 0.75 females, and this ratio favored females of H. longistila on summer months and males in the rest of the year. In the H. carstica population males predominated along the year. The reproduction of H. longistila was continuous and H carstica reproduced more intensively after the dry, when we suggest that occur the local recolonization by adults from upstream centers of population abundance. In relation to the environmental factors, a positive and independent effect of temperature over abundance and dissolved oxygen over the frequency of ovigerous females was observed on the H. longistila population, while the frequency of ovigerous females of H. carstica was influenced by temperature and conductivity. In general paired adults presented larger CL than non-paired adults in both sexes and species. The mean fecundity of H. longistila was 12.88 ± 2.00 eggs/female and 12.60 ± 7,20 eggs/female for H. carstica. The stage and number of eggs was negatively correlated on females of H. longistila but not in H. carstica. The mean volume of eggs on the first stage did not differ between species, but had differed on stages 2 and 3. A linear relation was observed between the number of eggs on stage 1 and the size of the respective ovigerous female in both species. The reproductive success of H. carstica was higher on intermediate size classes, while for H. longistila there was a progressive increase in the success as the female size increased. Differences were observed between the population dynamics and reproductive biology of the two species. The distinct conditions (especially of the hydric regime) under which H. longistila and H. carstica were found may have caused such differences, however the peculiarities of the biology of each species also may have influenced the results. Furthermore, collections were made in distinct periods, what also may be a causal factor for the observed differences. The information generated by this work are important to subsidize future works with such amphipods, as well as for conservation practices for them and the ecosystem in which they are inserted.
Informações adicionais: Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Ecologia Aplicada, área de concentração em Ecologia e Conservação de Recursos em Paisagens Fragmentadas de Agrossistemas, para a obtenção do título de Mestre.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2383
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções: DBI - Ecologia Aplicada - Mestrado (Dissertações)

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
DISSERTACAO_Ecologia de populações e biologia reprodutiva em Hyalella (Crustacea, Amphipoda, Hyalellidae).pdf5,18 MBAdobe PDFVer/abrir

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback