Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DFP - Departamento de Fitopatologia >
DFP - Programa de Pós-graduação >
DFP - Agronomia/Fitopatologia - Mestrado (Dissertações) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2963

Title: Aspectos do antagonismo de bactérias endofíticas a Meloidogyne incognita em tomateiro
Other Titles: Aspects of the endophytic bacterium antagonism to Meloidogyne incognita of tomato
???metadata.dc.creator???: Pinho, Renata Silva Canuto de
???metadata.dc.contributor.advisor1???: Campos, Vicente Paulo
???metadata.dc.contributor.referee1???: Souza, Ricardo Magela de
Oliveira, Denilson Ferreira de
???metadata.dc.description.concentration???: Fitopatologia
Keywords: Meloidogyne incognita
Bactérias endofíticas
Controle biológico
Biological control
Endophytic bacteria
???metadata.dc.date.submitted???: 29-Feb-2008
Issue Date: 19-Aug-2014
Citation: PINHO, R. S. C. de. Aspectos do antagonismo de bactérias endofíticas a Meloidogyne incognita em tomateiro. 2008. 47 p. Dissertação (Mestrado em Agronomia)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2008.
???metadata.dc.description.resumo???: Estudou-se neste trabalho o efeito de Acinobacter johnsonii na migração orientada do juvenil do segundo estádio (J2) de Meloidogyne incognita ao tomateiro e no armazenamento conjunto ou não de J2 e A. johnsonii. Foi também estudado o efeito de diversos isolados de bactérias endofíticas nos danos e reprodução de Meloidogyne incognita, e a relação desse antagonismo com a colonização de raízes de tomateiro. Os isolados de A. johnsonii adicionados ao substrato reduziram a migração de J2. Contudo, o parasitismo e reprodução de M. incognita foram sempre mais baixos quando o inóculo bacteriano foi colocado a 8 cm do centro. Com o tempo de estocagem de J2 com ou sem A. johnsonii ocorreu queda progressiva da reprodução e infectividade de J2 indicando que essa bactéria não foi patogênica a M. incognita e que o fator primordial, nesse ambiente, foi a queda progressiva da energia corporal pela movimentação desordenada do J2, a qual não é afetada pela presença da bactéria. A migração orientada caracterizou melhor o papel antagônico de A. johnsonii comparado com o ensaio de estocagem. Dos 39 isolados bacterianos endofíticos testados, 15 reduziram concomitantemente galhas, massas de ovos e ovos por grama de raiz e apenas três não colonizaram as raízes do tomateiro, correspondendo a 80% a relação entre o controle e a colonização de raízes. A relação entre a eficácia na redução de galhas, massas de ovos ou ovos por grama de raiz e colonização de raízes de tomateiro pelas bactérias endofíticas foi de 85%. As espécies que proporcionaram o melhor controle de M. incognita foram Acinobacter johnsonii, Curtobacterium luteum, Bacillus pumillus subg. B, B. pumillus e B. amyloliquefaciens, as quais colonizaram, também, as raízes de tomateiro. A. jonhsonii (T 10), S. aureus (P 18), P. gordonae (T 47), B. pumillus (T 51) e o isolado P 11 (espécie não identificada) reduziram, também, a severidade de Pseudomonas syringae pv. tomato em tomateiro, segundo Silva (2004). O teste de colonização de raízes deve anteceder a seleção de bactérias candidatas ao antagonismo de fitonematóides.
The effect of Acinobacter johnsonii on the oriented migration of second stage juveniles (J2) of Meloidogyne incognita toward tomato roots and on the J2 storage, simultaneouly, or not with A. johnsonii was studied. It was, also, studied the effect of several endophytic bacterium isolates on the damage and reproduction of M. incognita, as well as the relationship of those antagonisms to tomato root colonization. Any A. johnsonii isolates added to the substract reduced the J2 migration. However, the parasitism and reproduction of M. incognita were always lower when bacterium inoculum was poured at 8 cm from the circle center. During J2 storage period with or not A. johnsonii, the reproduction and infectivity of J2 decreased progressively indicating that this bacterium was not pathogenic to M. incognita and that the major factor, in this environment, was the progressive decrease on the J2 body energy by erratic J2 movement. Migration experiment better characterized the antagonism of A. johnsonii to M. incognita compared to storage experiment. From 39 endophytic bacterial isolates tested, fifteen of them reduced, simultaneously, gall, egg-masses and eggs per gram of roots, but, only, three of them did not colonized tomato roots corresponding 80% the relationship between control and root colonization. This relationship increased to 85% when considered, separately, the three measurements of control efficacy. The species that gave better control of M. incognita were: Acinobacter johnsonii (T 9 e T10), Curtobacterium luteum (P 16), Bacillus pumillus subg. B (T 27), B. pumillus (T 26) e B. amyloliquefaciens (T 36) which colonized, also, the tomato roots. A. jonhsonii (T 10), S. aureus (P 18), P. gordonae (T 47), B. pumillus (T 51) and isolate P 11 (unidentified species) reduced, also, the disease severity caused Pseudomoas syringae pv. tomato in tomato according to Silva (2004). The root colonization test should precede every bacterial screening for antagonism to plant parasitic nematodes.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2963
Publisher: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
???metadata.dc.language???: pt_BR
Appears in Collections:DFP - Agronomia/Fitopatologia - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
DISSERTAÇÃO_Aspectos do antagonismo de bactérias endofíticas a Meloidogyne incognita em tomateiro.pdf446.52 kBAdobe PDFView/Open

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.


View Statistics

 


DSpace Software Copyright © 2002-2010  Duraspace - Feedback