Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/30377
Título: Estudo comparativo de aguardentes moçambicanas e brasileiras
Título(s) alternativo(s): Comparative study of mozambican and brazilian spirits
Autor : Tábua, Manuel Carlos Minez
Lattes: http://lattes.cnpq.br/2703232660842834
Primeiro orientador: Cardoso, Maria das Graças
Primeiro membro da banca: Saczk, Adelir Aparecida
Segundo membro da banca: Machado, Ana Maria de Resende
Terceiro membro da banca: Nelson, David Lee
Quarto membro da banca: Magalhães, Fabiano
Quinto membro da banca: Pedroso, Márcio Pozzobon
Palavras-chave: Aguardente - Moçambique
Aguardente - Análise físico-química
Contaminantes inorgânicos
Compostos voláteis
Microextração em fase sólida
Mozambican spirits
Spirits - Physico-chemical analysis
Inorganic contaminants
Volatile compounds
Solid Phase Micro Extration (SPME)
Data da publicação: 5-Set-2018
Agência(s) de fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Referência: TÁBUA, M. C. M. Estudo comparativo de aguardentes moçambicanas e brasileiras. 2018. 153 p. Tese (Doutorado em Agroquímica)–Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2018.
Resumo: Em Moçambique, o agronegócio da produção de aguardente vem ganhando espaço entre os pequenos produtores, influenciando a economia local e do país, gerando empregos e rentabilidade. A aguardente é uma bebida alcoólica obtida do mosto fermentado e destilado de cana-de-açúcar ou diferentes matérias-primas (frutas ou tubérculos), com grau alcoólico entre 38% e 54% v/v a 20 ºC. No Brasil, a sua composição química e os requisitos de qualidade são subordinados à uma legislação sob responsabilidade do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Os objetivos deste trabalho foram analisar a qualidade físico-química de aguardentes produzidas nas regiões Centro e Norte de Moçambique, segundo os Padrões de Identidade e Qualidade (PIQ’s) estabelecidos pela Legislação Brasileira e compará-las com amostras brasileiras, coletado aleatoriamente de diferentes produtores de Minas Gerais/Brasil. As amostras foram coletadas nas regiões de Xinavane, Manhiça, Chokwe, Beira, Mafambisse, Massingae e Chimoio de Moçambique. Todas as amostras foram encaminhadas ao Laboratório de Análise Físico-Química de Aguardente do Departamento de Química da Universidade Federal de Lavras (LAFQA/DQI). Foram avaliados os parâmetros grau alcóolico, acidez volátil, álcoois superiores, aldeídos, ésteres, metanol, furfural, compostos voláteis, glicerol e elementos traço. Os álcoois superiores foram caracterizados e quantificados por cromatografia em fase gasosa e os compostos voláteis, por cromatografia gasosa acoplada ao espectrômetro de massas (GC-MS), na Central de Análise e Prospecção Química (CAPQ/DQI/UFLA). Na identificação dos compostos voláteis, empregou-se a técnica de microextração em fase sólida (SPME) por headspace. Os resultados mostraram que as aguardentes moçambicanas produzidas com diferentes matérias-primas (cereais, cana-de-açúcar e frutas), comparadas entre si e com as aguardentes brasileiras, apresentaram concentrações muito variadas dos componentes quantificados. Em relação aos padrões exigidos pela Legislação Brasileira para as aguardentes/cachaças, a maior parte das amostras moçambicanas está fora dos limites máximos estabelecidos para grau alcóolico, acidez volátil, furfural, metanol, prejudicando, desse modo, a sua qualidade, ao passo que as aguardentes brasileiras analisadas no presente estudo obedeceram aos Padrões de Identidade e Qualidade, sendo estas criteriosamente controladas pelo Ministério de Agricultura Pecúaria e Abastecimento do Brasil. Verificaram-se baixas concentrações de glicerol nas amostras estudadas. Os teores dos metais determinados revelaram uma contaminação das amostras moçambicanas por metais, como cobre (ND a 34,83 mg L-1), chumbo (600 a 3660 g L-1), zinco (ND a 23,01 mg L-1) e ferro (ND a 0,04 mg L-1). Não foi detectada em nenhuma das amostras a presença de cádmio e cromo. Dos resultados obtidos, foram identificados 35 compostos voláteis nas aguardentes moçambicanas, dos quais 19 eram ésteres que contribuem para as características sensoriais da bebida. Os resultados encontrados para os parâmetros estudados mostraram-se adequados para a finalidade da pesquisa, podendo estimular os produtores sobre as condições de produção e os riscos envolvidos para alcançar uma aguardente de boa qualidade.
Abstract: In Mozambique, the agribusiness involving the production of distilled spirits has been gaining ground among small producers, influencing the local economy and the country, and generating jobs and profits. The distilled spirit is an alcoholic beverage obtained from fermented and distilled sugarcane must or other raw materials (fruits or tubers), with an alcoholic strength between 38% and 54% v/v at 20 °C. In Brazil, the chemical composition and quality requirements are regulated by the Ministry of Agriculture, Livestock and Food Supply (MAPA). The objectives of this work were to analyze the physicochemical quality of spirits produced in the Central and Northern regions of Mozambique, according to the Identity and Quality Standards (PIQ's) established by Brazilian legislation and to compare them with Brazilian samples, randomly collected from different producers in Minas Gerais, Brazil. The Mozambique samples were collected in the regions of Xinavane, Manhiça, Chokwe, Beira, Mafambisse, Massingae and Chimoio de Moçambique. All the samples were sent to the Laboratory of Physical and Chemical Analysis of Spirits of the Department of Chemistry of the Federal University of Lavras (LAFQA/DQI). These parameters were evaluated: alcohol concentration, volatile acidity, higher alcohols, aldehydes, esters, methanol, furfural, volatile compounds, glycerol and trace elements. The higher alcohols were characterized and quantified by gas chromatography, and the volatile compounds by gas chromatography coupled to a mass spectrometer (GC-MS) at the Center for Chemical Analysis and Prospecting (CAPQ/DQI/UFLA). The solid phase microextraction of the headspace (SPME) was used for the identification of the volatile compounds. The concentrations of the quantified components in the Mozambican spirits produced from different raw materials (cereals, sugar cane and fruits) and in the Brazilian spirits varied greatly. Regarding the standards required by the Brazilian legislation for spirits/cachaças, most Mozambican samples were found to be outside the maximum limits established for alcohol concentration, volatile acidity, furfural, and methanol, whereas Brazilian spirits analyzed in the present study were within the limits of the Identity and Quality Standards, as they are carefully controlled by the Ministry of Livestock, Agriculture and Supply in Brazil. Low concentrations of glycerol were found in the samples studied. Contamination of the Mozambican samples by metals such as copper (ND at 34.83 mg L-1), lead (600 to 3660 μg L-1), zinc (ND at 23.01 mg L-1) , and iron (ND at 0.04 mg L-1) was found. The presence of cadmium and chromium was not detected in any of the samples. Of the results obtained, 35 volatile compounds were identified in Mozambican spirits, of which 19 were esters, which contribute to the sensorial characteristics of the beverage. The results found for the parameters were adequate for the purpose of the research, which was to stimulate the producers to improve the conditions of production and to recognize the risks involved in producing a high quality brand of spirits.
metadata.teses.dc.description: Arquivo retido, a pedido do autor(a), até fevereiro de 2019.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/30377
Publicador: Universidade Federal de Lavras
Idioma: por
Aparece nas coleções:DQI - Agroquímica - Doutorado (Teses)

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.