Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DEN - Departamento de Entomologia >
DEN - Programa de Pós-graduação >
DEN - Entomologia - Mestrado (Dissertações) >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/307

Título: Influência da aplicação de inseticidas no desenvolvimento, sobrevivência e crescimento populacional de Orius insidiosus (Say, 1832) (Hemiptera: Anthocoridae) em laboratório
Autor(es): Moscardini, Valéria Fonseca
Orientador: Carvalho, Geraldo Andrade de
Membro da banca: Reis, Paulo Rebelles
Yamamoto, Pedro Takao
Bueno, Vanda Helena Paes
Área de concentração: Entomologia Agrícola
Assunto: Traça-do-tomateiro
Predador
Tabelas de vida
Seletividade fisiológica
Pesticidas
Tomato leaf miner
Predator
Life table
Fisiological selectivity
Pesticides
Data de Defesa: 16-Fev-2012
Data de publicação: 2012
Agência de Fomento: CNPq
Referência: MOSCARDINI, V. F. Influência da aplicação de inseticidas no desenvolvimento, sobrevivência e crescimento populacional de Orius insidiosus (Say, 1832) (Hemiptera: Anthocoridae) em laboratório. 2012. 65 p. Dissertação (Mestrado em Entomologia) - Universidade Federal de Lavras, 2012.
MOSCARDINI, V. F. Influência da aplicação de inseticidas no desenvolvimento, sobrevivência e crescimento populacional de Orius insidiosus (Say, 1832) (Hemiptera: Anthocoridae) em laboratório. 2012. 65 p. Dissertação (Mestrado em Entomologia) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2012.
Resumo: Dentre os inimigos naturais de pragas que ocorrem na cultura do tomateiro, insetos do gênero Orius são predadores de ovos e de pequenas lagartas de lepidópteros, sendo considerados como agentes de controle biológico. Objetivou-se no presente trabalho avaliar o efeito dos inseticidas abamectina, cartape, espirotetramato + imidaclopride, flubendiamide, pimetrozina, piriproxifen e rinaxipir sobre ovos de Orius insidiosus (Say, 1832) em laboratório. O experimento foi realizado no Laboratório de Seletividade da UFLA. Hastes de picão-preto contendo ovos de O. insidiosus foram imersas nas caldas inseticidas por cinco segundos. Avaliou-se a duração do período embrionário e a eclosão das ninfas diariamente. As ninfas provenientes dos ovos tratados foram individualizadas em placas de Petri, onde receberam ovos de Anagasta kuehniella como alimento. Avaliou-se a sobrevivência das ninfas e a duração do estágio ninfal. Os produtos foram enquadrados em classes de toxicidade conforme a IOBC. A capacidade reprodutiva de O. insidiosus provenientes de ovos tratados foi avaliada apenas para os tratamentos nos quais foi possível formar cinco ou mais casais. Cada casal recebeu diariamente uma haste de picão-preto para oviposição. Avaliou-se a cada 24 horas o número de ovos e a sobrevivência dos adultos. Os inseticidas abamectina, cartape, espirotetramato + imidaclopride e flubendimiade afetaram negativamente os períodos embrionário e ninfal de O. insidiosus (classe 4). Piriproxifen e rinaxipir foram categorizados na classe 1 e pimetrozina na classe 2, os quais foi possível formar curvas de sobrevivência e fertilidade. Estes inseticidas afetaram os primeiros instares ninfais de O. insidiosus, porém houve semelhança da curva de sobrevivência e fertilidade quando comparado com o controle. Os parâmetros da tabela de vida foram afetados negativamente somente pelo inseticida piriproxifen. O estágio crítico de mortalidade para o tratamento controle foi ninfa de primeiro instar e para piriproxifen ninfas de primeiro e terceiro instares. Para rinaxipir e pimetrozina não houve um estágio crítico de mortalidade de O. insidiosus. Sendo assim, rinaxipir e pimetrozina podem ser recomendados em programas de MIP na cultura do tomateiro como estratégia de preservação desse inimigo natural. Piriproxifen apesar de ser seletivo a O. insidiosus, afetou os parâmetros da tabela de vida e mais estudos devem ser realizados. Os inseticidas abamectina, cartape, espirotetramato + imidaclopride e flubendiamide afetaram negativamente O. insidiosus e causaram efeitos subletais a ninfas e adultos desse predador sendo considerados tóxicos e devem ser submetidos a testes em casa de vegetação e campo para confirmação ou não da sua toxicidade a O. insidiosus.
Among the natural enemies of pests that occur in tomato crop, bugs of the genus Orius are excellent predators of both eggs and small larvae of Lepidoptera, being considered biological control agents. The aim of this work was to evaluate the effect of the insecticides abamectin, cartap, spirotetramat + imidacloprid, flubendiamide, pymetrozine, pyriproxyfen and rynaxypyr on eggs of Orius insidiosus (Say, 1832) in laboratory. The experiment was conducted at the Laboratory of Selectivity of UFLA. Stems of Bidens pilosa L. containing the eggs of O. insidiosus were immersed in the chemical products aqueous solutions for five seconds. The length of the embryonic period and daily nymphs hatching were evaluated. Nymphs from treated eggs were individually placed in Petri dishes, where they received Anagasta kuehniella eggs. The nymph survival and duration of the nymphal stage were evaluated. The products were grouped in classes of toxicity based on IOBC. The reproductive capacity of O. insidiosus from treated eggs was assessed only for treatments in which it was possible to form five or more couples. To the couples it was given daily a B. pilosa stem. It was evaluated every 24 hours the number of eggs and survival of adults. It was evaluated every 24 hours the number of eggs and the adult survival. Abamectin, cartap, flubendimiade and spirotetramat + imidacloprid affected negatively the embryonic and nymphal periods of O. insidiosus (class 4). Pyriproxyfen and rynaxypyr were categorized as class 1 and pymetrozine as class 2, which was possible to form survival and fertility curves. These insecticides affected early nymphal instars of O. insidiosus, but the survival and fertility curve were similar when compared to control. The life table parameters were only negatively affected by the insecticide pyriproxyfen. The critical stage of mortality to the control treatment was first nymph and to pyriproxyfen was the first and third instars nymph. Rynaxypyr and pymetrozine did not have a critical stage of mortality of O. insidiosus. Therefore, rynaxypyr and pymetrozine can be recommended in IPM in tomato crop as a strategy for preservation of this natural enemy. Pyriproxyfen despite being selective to O. insidiosus, affected the life table parameters and further studies should be performed. Abamectin, cartap, spirotetramat + imidacloprid and flubendiamide negatively affected O. insidiosus and caused sublethal effects to nymphs and adults of the predator and, therefore, are considered toxic and should be tested in greenhouse and field conditions, to confirm or not their toxicity to O. insidiosus.
Informações adicionais: Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Agronomia/Entomologia, área de concentração em Entomologia Agrícola para a obtenção do título de Mestre.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/307
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções: DEN - Entomologia - Mestrado (Dissertações)

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
DISSERTAÇÃO Influência da aplicação de inseticidas no desenvolvimento, sobrevivência e crescimento.pdf309,7 kBAdobe PDFVer/abrir

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback