Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DFP - Departamento de Fitopatologia >
DFP - Programa de Pós-graduação >
DFP - Agronomia/Fitopatologia - Doutorado (Teses) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3165

Title: Caracterização de isolados de Potato virus S (PVS) no Brasil e seu efeito na produção de batata
Other Titles: Characterization of the Potato vírus S (PVS) strains in Brazil and effect on potato tuber yield
???metadata.dc.creator???: Ribeiro, Silvia Regina Rodrigues de Paula
???metadata.dc.contributor.advisor1???: Figueira, Antonia dos Reis
???metadata.dc.contributor.referee1???: Machado, José da Cruz
Souza, Ricardo Magela de
Pádua, Joaquim Gonçalves de
Pinto, César Augusto Brasil Pereira
???metadata.dc.description.concentration???: Fitopatologia
Keywords: Batata
Potato virus S
Viroses
Estirpe andina
Infecções mistas
???metadata.dc.date.submitted???: 31-Jul-2007
Issue Date: 22-Aug-2014
Citation: RIBEIRO, S. R. R. de P. Caracterização de isolados de Potato virus S (PVS) no Brasil e seu efeito na produção de batata. 2007. 108 p. Tese (Doutorado em Agronomia)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2007.
???metadata.dc.description.resumo???: O Potato virus S (PVS) apesar de ser um dos vírus mais comuns da cultura da batata, não tem sido muito estudado, devido aos sintomas quase imperceptíveis em plantas de batata e aos relatos não significativos de perdas na produção, devido à presença desse vírus na lavoura. O PVS possui duas estirpes diferenciadas pela transmissão: a estirpe comum (PVSO) transmitida pelas sementes e a estirpe andina (PVSA) transmitida pelo vetor Myzus persicae, de modo não-persistente ou estiletar. Para estudar as propriedades biológicas e moleculares dos isolados de PVS, que ocorrem no Brasil, dez isolados foram coletados, sendo oito no Estado de Minas Gerais, um do Estado de São Paulo e um do Estado do Rio Grande do Sul. Esses isolados foram inoculados em dez espécies de plantas, sendo que nove deles tiveram um fragmento genômico de 908 pb, contendo a região da capa protéica (CP), amplificados com um par de primers desenhado para o PVSO, e um deles somente foi amplificado com o primer específico para o PVSA, tendo sido obtido um fragmento de 949pb, também contendo a região CP. Esses fragmentos foram seqüenciados e analisados. Para verificar o efeito de infecções simples e mistas do PVS, com outros vírus da batata, foram produzidos tubérculos infectados nas seguintes combinações: PVS, PVX e PVY; PVS + PVX, PVS + PVY, PVX + PVY e PVS + PVX + PVY (50% de incidência inicial); PLRV, PVS + PLRV, PVS + PLRV + PVX, PVS + PLRV + PVY; PVS + PLRV + PVX + PVY (15 % de incidência inicial). Esses tubérculos foram plantados no campo, sendo o experimento em blocos casualizados, com 40 plantas por parcela e 4 repetições. Foi avaliada a produção comercial, calculando-se a perda de produção em relação à parcela controle sem vírus, e os tubérculos foram classificados quanto o tamanho. Dentre as plantas inoculadas, as plantas de tomate (Lycopersicon esculentum) foram suscetíveis apenas aos isolados SJ-CHI e SJ-CAL, respondendo com anéis arroxeados na face inferior da folha. Todos eles causaram lesões locais cloróticas em plantas de Chenopodium amaranticolor e nove isolados causaram o mesmo tipo de lesões em Chenopodium quinoa. Um deles, o denominado de BB-AND, causou infecção sistêmica em C. quinoa e foi transmitido pelo vetor Myzus persicae para 11% das plantas inoculadas. A análise filogenética mostrou que nove isolados apresentaram maior identidade de nucleotídeos e aminoácidos com os isolados comuns de PVS (PVSO), enquanto que o BB-AND apresentou maior identidade com osisolados Andinos (PVSA). Nas árvores filogenéticas baseadas na seqüência de nucleotídeos e de aminoácidos, os 9 isolados também se agruparam com os isolados comuns e o BB-AND com os isolados Andinos. Apesar da sua proximidade com os isolados Andinos disponíveis no GenBank, provenientes da Inglaterra, República Tcheca e Canadá, o BB-AND apresentou uma distância filogenética significativa desses isolados, indicando que provavelmente ele possui uma outra origem geográfica. Nos experimentos de campo, nas parcelas com 50% de incidência inicial, a menor perda foi de 15,01%, causada por infecção simples com o PVX e a maior foi de 37,03%, causada pela infecção com o PVS+PVX+PVY. Nas parcelas com incidência inicial de 15%, a menor perda foi de 10,99%, causada por infecção simples com o PLRV e a maior foi de 40,92%, causada pela infecção com os quatro vírus juntos. Ficou evidente que, quando o PVS se associou a outros vírus, as perdas e os sintomas foram mais intensos do que os induzidos por cada vírus separadamente.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3165
Publisher: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
???metadata.dc.language???: pt_BR
Appears in Collections:DFP - Agronomia/Fitopatologia - Doutorado (Teses)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
TESE_Caracterização de isolados de Potato virus S (PVS) no Brasil e seu efeito na produção de batata.pdf1.7 MBAdobe PDFView/Open

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.


View Statistics

 


DSpace Software Copyright © 2002-2010  Duraspace - Feedback