Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3177
Título: Recipientes e substratos na produção de mudas e no desenvolvimento inicial de cafeeiros (Coffea arabica L.)
Título(s) alternativo(s): Containers and substrates in seedlings production and in initial development of coffee tree (Coffea arabica L)
Autor : Vallone, Haroldo Silva
Primeiro orientador: Guimarães, Rubens José
Primeiro membro da banca: Souza, Carlos Alberto Spaggiari
Mendes, Antônio Nazareno Guimarães
Cunha, Rodrigo Luz da
Área de concentração: Fitotecnia
Palavras-chave: Café
Muda
Substrato
Estresse hídrico
Coffee
Seedling
Substrate
Water stress levels
Data da publicação: 22-Ago-2014
Referência: VALLONE, H. S. Recipientes e substratos na produção de mudas e no desenvolvimento inicial de cafeeiros (Coffea arabica L.). 2006. 89 p. Tese (Doutorado em Agronomia)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2006.
Resumo: O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos de recipientes e substratos na produção de mudas de cafeeiro durante a fase de viveiro e no desenvolvimento inicial destas, em vasos, sob diferentes níveis de estresse hídrico e em campo. Foram conduzidos três experimentos no Setor de Cafeicultura da Universidade Federal de Lavras, no período de setembro de 2003 a setembro de 2005. No primeiro experimento foram testados três recipientes para a produção de mudas em viveiro: a) tubete de 50 mL; b) tubete de 120 mL e c) saquinho de polietileno de 10 x 20cm (aproximadamente 700 mL), preenchidos com três substratos: a) substrato alternativo, constituído de 65% de casca de arroz carbonizada + 35% de substrato comercial Plantmax®, b) substrato comercial Plantmax® e c) substrato padrão, constituído de 70% de subsolo + 30% de esterco bovino. No segundo experimento, conduzido em casa de vegetação, as mudas produzidas no experimento anterior foram transplantadas em vasos com capacidade de 10 litros de terra e foram aplicados para cada tipo de muda, quatro níveis de estresse hídrico, representados por quatro intervalos entre irrigações, 2, 6, 10 e 14 dias. O experimento foi encerrado 120 dias após o transplante das mudas. No terceiro experimento, os nove tipos de mudas produzidos no primeiro experimento foram transplantados para o campo e conduzidos durante 20 meses sem irrigação complementar, tendo suas características de desenvolvimento avaliadas a cada cinco meses. Os resultados obtidos permitiram concluir que tanto na fase de viveiro quanto após o transplante para a casa de vegetação e para o campo, os recipientes e os substratos utilizados influenciam significativamente o desenvolvimento das mudas e dos cafeeiros. Na fase de viveiro, os recipientes de maior volume (saquinho de polietileno e tubete de 120 mL) preenchidos com os substratos alternativo e comercial proporcionam mudas com maior desenvolvimento. Após 120 dias do transplante das mudas para vasos em casa de vegetação com diferentes níveis de estresse hídrico, as plantas provenientes de mudas produzidas em saquinhos de polietileno preenchidos com substrato padrão foram superiores às demais. No campo, 20 meses após o transplante, os cafeeiros provenientes de mudas produzidas em saquinho de polietileno e em tubete de 120 mL utilizando substrato padrão foram superiores aos provenientes de mudas produzidas em tubetes de 50 mL, independente do substrato utilizado.
O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos de recipientes e substratos na produção de mudas de cafeeiro durante a fase de viveiro e no desenvolvimento inicial destas, em vasos, sob diferentes níveis de estresse hídrico e em campo. Foram conduzidos três experimentos no Setor de Cafeicultura da Universidade Federal de Lavras, no período de setembro de 2003 a setembro de 2005. No primeiro experimento foram testados três recipientes para a produção de mudas em viveiro: a) tubete de 50 mL; b) tubete de 120 mL e c) saquinho de polietileno de 10 x 20cm (aproximadamente 700 mL), preenchidos com três substratos: a) substrato alternativo, constituído de 65% de casca de arroz carbonizada + 35% de substrato comercial Plantmax®, b) substrato comercial Plantmax® e c) substrato padrão, constituído de 70% de subsolo + 30% de esterco bovino. No segundo experimento, conduzido em casa de vegetação, as mudas produzidas no experimento anterior foram transplantadas em vasos com capacidade de 10 litros de terra e foram aplicados para cada tipo de muda, quatro níveis de estresse hídrico, representados por quatro intervalos entre irrigações, 2, 6, 10 e 14 dias. O experimento foi encerrado 120 dias após o transplante das mudas. No terceiro experimento, os nove tipos de mudas produzidos no primeiro experimento foram transplantados para o campo e conduzidos durante 20 meses sem irrigação complementar, tendo suas características de desenvolvimento avaliadas a cada cinco meses. Os resultados obtidos permitiram concluir que tanto na fase de viveiro quanto após o transplante para a casa de vegetação e para o campo, os recipientes e os substratos utilizados influenciam significativamente o desenvolvimento das mudas e dos cafeeiros. Na fase de viveiro, os recipientes de maior volume (saquinho de polietileno e tubete de 120 mL) preenchidos com os substratos alternativo e comercial proporcionam mudas com maior desenvolvimento. Após 120 dias do transplante das mudas para vasos em casa de vegetação com diferentes níveis de estresse hídrico, as plantas provenientes de mudas produzidas em saquinhos de polietileno preenchidos com substrato padrão foram superiores às demais. No campo, 20 meses após o transplante, os cafeeiros provenientes de mudas produzidas em saquinho de polietileno e em tubete de 120 mL utilizando substrato padrão foram superiores aos provenientes de mudas produzidas em tubetes de 50 mL, independente do substrato utilizado.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3177
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções:DAG - Agronomia/Fitotecnia - Doutorado (Teses)



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.