Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DBI - Departamento de Biologia >
DBI - Programa de Pós-graduação >
DBI - Agronomia/Fisiologia Vegetal - Mestrado (Dissertações) >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3211

Título: Detecção de variantes somaclonais de bananeira ´Prata Anã´ (AAB) micropropagada
Título Alternativo: Detection of somaclonal variants of micropropagated banana plants ´Prata Ana´ (AAB)
Autor(es): Silva, Janaína de Oliveira Costa e
Orientador: Paiva, Luciano Vilela
Membro da banca: Castro, Evaristo Mauro de
Guerreiro, Mário César
Chalfun Junior, Antônio
Área de concentração: Fisiologia Vegetal
Assunto: Micropropagação
Variação somaclonal
Espectrometria de massas
Giberelina
Anatomia vegetal
Micropropagations
Somaclonal variation
Mass espectrometry
Gibberellin
Vegetal anatomy
Data de Defesa: 2-Fev-2007
Data de publicação: 25-Ago-2014
Referência: SILVA, J. de O. C. e. Detecção de variantes somaclonais de bananeira 'Prata anã' (AAB) micropropagada. 2007. 98 p. Dissertação (Mestrado em Fisiologia Vegetal)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2007.
Resumo: The in vitro culture, also known as micropropagation, is a technique used in the attainment of plants with commercial value. This technique is useful in achievement for free pathogenic plants and to maintain the genetic characteristics of the mother plant. However, the micropropagation can lead to phenotypic changes in the plants, known as somaclonal variation. The somaclonal variation can reduce the production of commercial value plants, and this implies in limitations in the use of this technique. The ´Prata Anã´ banana plant presents as somaclonal variation an anomaly growth known as gigantism. The banana plant that possesses this variation produce bunches with low commercial value. However, the variation in ´Prata Anã´ is only verified after plantation. Aiming to reduce this problem the present work was carried out searching for an alternative way to differentiate normal ´Prata Anã´ banana plant from somaclonal variant ones. Morphological, anatomical and chemical markers that allowed differentiating the variants of the normal ones were used as tools. By the application of gibberellic acid (GA3) in the aerial parts of the plants in acclimatization phase it was possible distinguishing variant plants from the normal ones allowing the variant plants to grow bigger than the normal ones. Moreover, the variant plants launched leaves with the etiolated stem and foliar limb lanceolated. Data of foliar anatomy of variant and non-variant somaclonal plants of ´Prata Anã´ were measured during in vitro, acclimatization and in the field stages. The analyses were carried out to search for morphological markers that allowed to differentiate them. Comparative analyses between the normal and variant banana plant were performed to verify developmental aspects of the anatomical structures during the culture phases. Based on the results it was possible to differentiate banana plants from somaclonal variant ones based in the main vein diameter and inferior hypoderm. Analyses of mass spectrometry was also carried to distinguish plant extract from normal and variant banana plant in vitro, in the field and in the acclimatization conditions with and without GA3 application. The fingerprint of composite in the samples allowed distinguishing the somaclonal variant plants from the other ones in acclimatization phase without application of GA3.
O cultivo in vitro, também conhecido como micropropagação, é uma técnica bastante utilizada na obtenção de mudas de valor comercial. Esta técnica é bastante útil já que através dela podem ser produzidas plantas livres de patógenos e que mantém as características genéticas das plantas matrizes. No entanto, a micropropagação pode levar a um tipo de mudança fenotípica nas plantas, conhecida como variação somaclonal. A variação somaclonal pode levar a produção de mudas de baixo valor comercial, e isso implica em limitações no uso dessa técnica. A bananeira ´Prata Anã´ apresenta como variação somaclonal uma anomalia no crescimento conhecida como gigantismo e estas produzem cacho de baixo valor comercial. Porém, a constatação dessa variação somente é possível após plantio em campo. No intuito de minimizar este problema, o presente trabalho buscou desenvolver alternativas para diferenciar bananeiras ´Prata Anã´ normais daquelas que apresentam variação somaclonal. Para isso, buscamos marcadores morfoanatômicos e químicos que permitissem diferenciar as variantes das normais. A aplicação de ácido giberélico (GA3) nas partes aéreas das plantas em fase de aclimatação permitiu distinguir as mudas variantes das normais. Tal procedimento fez com que as variantes crescessem mais em relação as normais. Além disso, as variantes lançaram folhas com a bainha estiolada e com morfologia do limbo foliar lanceolado. Foi realizado o estudo da anatomia foliar de ´Prata Anã´variantes somaclonais e não variantes nas fases de cultivo in vitro, aclimatação e em campo. Foram feitas análises comparativas entre as bananeiras normais e variantes para verificar aspectos do desenvolvimento das estruturas anatômicas entre as fases de cultivo. Os resultados obtidos permitiram diferenciar as bananeiras variantes das normais em relação ao diâmetro da nervura central e da hipoderme inferior. Nas análises de espectrometria de massas foi possível distinguir as variantes das normais em fase de aclimatação e as plantas normais e variantes que receberam GA3 também diferenciaram das demais.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3211
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções: DBI - Agronomia/Fisiologia Vegetal - Mestrado (Dissertações)

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
DISSERTAÇÃO_Detecção de variantes somaclonais de bananeira ´Prata Anã´ (AAB) micropropagada.pdf1,83 MBAdobe PDFVer/abrir

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback