Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DZO - Departamento de Zootecnia >
DZO - Programa de Pós-graduação >
DZO - Zootecnia - Doutorado (Teses) >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3658

Título: Níveis e formas de suplementação da vitamina D para frangas de reposição
Autor(es): Remolina Rivera, Diego Fernando
Orientador: Bertechini, Antonio Gilberto
Membro da banca: Edison José Fassani
Paulo Borges Rodrigues
Raimundo Vicente de Sousa
Fabio Augusto Gomes
Fabricio Rivelli Mesquita
Área de concentração: Nutrição de Monogástricos
Assunto: Poedeira comercial
Desempenho produtivo
Qualidade óssea
Ovos - Qualidade
Commercial laying pullets
Productive performance
Bone quality
Egg quality
Data de Defesa: 24-Fev-2014
Data de publicação: 2014
Agência de Fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Referência: REMOLINA RIVERA, D. F. Níveis e formas de suplementação da vitamina D para frangas de reposição. 2014. 71 p. Tese (Doutorado em Zootecnia - Nutrição de Monogástricos) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2014.
Resumo: A pesquisa foi realizada com o objetivo de avaliar os efeitos de fontes de vitamina D, isoladas e/ou associadas nas dietas de frangas leves de reposição, sobre o desempenho e características ósseas dessas aves. As fontes estudadas foram colecalciferol (D3), isolado ou associado com 25-hydroxycolecalciferol (25-OHD3) e/ou 1α-hydroxycolecalciferol (1α-OHD3). Foram utilizadas 1920 pintinhas de um dia Dekalb White, durante 18 semanas, utilizando um delineamento inteiramente casualisado, em esquema fatorial, composto por quatro níveis de fornecimento de vitamina D (500 UI/kg, 1000 UI/kg, 1500 UI/kg e 2000 UI/kg) e quatro associações com fontes diferenciadas (100% D3; 50% D3 e 50% 25-OHD3; 50% D3 e 50% 1α-OHD3; 33,33% D3, 33,33% 25-OHD3 e 33,33% de 1α-OHD3). Para determinar o desempenho produtivo e a qualidade óssea, foram realizadas avaliações no ultimo dia da 6a, 12a e 18a semana. Após a fase experimental, 12 aves de cada repetição foram alojadas em galpão de produção, para avaliar os efeitos residuais dos tratamentos utilizados na fase inicial, de cria e recria; sobre o desempenho, a qualidade de ovo e a qualidade óssea das galinhas poedeiras da 24a a 40a semanas de idade. Não houve interação (p>0,05) entre as fontes e os níveis de vitamina D avaliados no experimento. Na fase de 0 a 6 semanas de idade, observou-se melhor (p<0,05) uniformidade, quando se formulou com D3 isolado ou associado ao 25-OHD3 e maior porcentagem de cinzas (CZ) e cálcio (Ca) na tíbia, ao fornecer D3 associada ao 1α-OHD3, embora houvesse incremento na porcentagem de fósforo (P) nas tíbias das aves alimentadas com rações formuladas com D3 associado ao 25-OHD3 e 1α-OHD3. Não houve efeitos (p>0,05) das fontes ou dos níveis analisados na fase de 0 a 12 semanas de idade. Na fase de 0 a 18 semanas, houve efeito linear (p<0,05) do nível da suplementação de vitamina D sobre a conversão alimentar e a porcentagem de cálcio e fósforo nas tíbias de frangas. Os tratamentos utilizados no período experimental não produziram efeitos (p>0,05) sobre o desempenho produtivo, a qualidade do ovo e a qualidade óssea na fase produtiva (24a – 40a semanas) do ciclo de poedeiras. Tendo em conta as condições experimentais, associar fontes de vitamina D pode ser uma alternativa para melhorar a qualidade óssea na fase inicial (0 a 6 semanas de idade) de frangas leves de reposição. O aumento da suplementação de vitamina D melhora a conversão alimentar e a qualidade óssea das aves de 0 a 18 semanas de idade. Utilizar programas com diferentes fontes e níveis de vitamina D de 0 a 18 semanas de idade não tem efeito sobre o desempenho produtivo, a qualidade de ovo e a qualidade óssea de poedeiras comerciais de 24 a 40 semanas de idade.
The research was conducted with the objective of evaluating the effects of vitamin D sources, isolated and/or associated in diets of white laying pullets, over the performance and bone characteristics of these birds. The studied sources were cholecalciferol (D3), isolated or associated with 25-hydroxycholecalciferol (25-OHD3) and/or 1α-hydroxycholecalciferol (1α-OHD3). In the study were used 1920 one day Dekalb White chicks, during 18 weeks, using a completely randomized design, in factorial scheme, comprised of four levels of vitamin D (500 UI/kg, 1000 UI/kg, 1500 UI/kg and 2000 UI/kg) and four associations with diverse sources (100% D3; 50% D3 and 50% 25-OHD3; 50% D3 and 50% 1α-OHD3; 33.33% D3, 33.33% 25-OHD3 and 33.33% 1α-OHD3). To determine the productive performance and the bone quality, evaluations were performed in the last day of the 6th, 12th and 18th weeks. After the experimental phase, 12 birds from each replicate were housed in a production barn to evaluate the residual effects of the treatments used in the initial, brooding and rearing phases; over performance, egg quality and bone quality of 24th and 40th week laying pullets. There was no interaction (p>0.05) between the sources and the levels of vitamin D evaluated in the experiment. In the phase from 0 to 6 weeks of age, better uniformity was observed (p<0.05) when formulating with D3 isolated or associated to 25-OHD3 and higher percentage of ash (AS) and calcium (Ca) in the tibia, when providing D3 associated to 1α-OHD3, although there was increment in the percentage of phosphorus (P) in the tibias of birds fed rations formulated with D3 associated to 25-OHD3 and 1α-OHD3. There were no effects (p>0.05) of the sources or levels analyzed in the phase from 0 to 12 weeks of age over food conversion and the percentage of calcium and phosphorus in the pullets’ tibias. The treatments used in the experimental period did not produce effects (p>0.05) over the productive performance, egg quality and bone quality in the productive phase (24th – 40th weeks) of the laying cycle. Considering the experimental conditions, associating the sources of vitamin D may be an alternative to improve the bone quality in the initial phase (0 to 6 weeks of age) of white laying pullets). The increase of vitamin D supplementation improves food conversion and bone quality of birds from 0 to 18 weeks of age. Using programs with different sources and levels of vitamin D from 0 to 18 weeks of age has no effect over productive performance, egg quality and bone quality of commercial laying pullets with 24 to 40 weeks of age.
Informações adicionais: Tese apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia, área de concentração em Nutrição de Monogástricos, para a obtenção do título de Doutor.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3658
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções: DZO - Zootecnia - Doutorado (Teses)

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
TESE Níveis e formas de suplementação da vitamina D para frangas de reposição.pdf353,3 kBAdobe PDFVer/abrir

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback