Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/37515
metadata.artigo.dc.title: Gestão Social sob a lente estruturacionista
metadata.artigo.dc.title.alternative: Social Management using the structurationist lens
Gestión Social bajo la lente estructuracionista
metadata.artigo.dc.creator: Peres Junior, Miguel Rivera
Pereira, José Roberto
Oliveira, Lucas Canestri de
metadata.artigo.dc.subject: Gestão social
Teoria da estruturação
Práticas sociais
Sistema deliberativo
Social management
Structuration theory
Social practices
Deliberative system
metadata.artigo.dc.publisher: Universidade Presbiteriana Mackenzie
metadata.artigo.dc.date.issued: 2013
metadata.artigo.dc.identifier.citation: PERES JUNIOR, M. G.; PEREIRA, J. R.; OLIVEIRA, L. C. de. Gestão Social sob a lente estruturacionista. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 14, n. 6, p. 18-49, nov./dez. 2013.
metadata.artigo.dc.description.resumo: A Gestão Social - como campo de estudo e como prática social - tem buscado se consolidar como um tipo de gestão pública não estatal, em que a sociedade é a protagonista da ação. Grande parte dos estudos da área fundamenta-se na perspectiva crítica, em especial na teoria da ação comunicativa de Habermas. Pretende-se, aqui, indicar um novo caminho teórico para a análise da Gestão Social, fundamentado na Teoria da Estruturação, proposta pelo sociólogo inglês Anthony Giddens. Tendo entre seus principais pressupostos a dualidade da estrutura (a estrutura é, ao mesmo tempo, meio e resultado da ação) e o reconhecimento da ação humana como intencional, reflexiva e cognoscitiva, entende-se que a perspectiva estruturacionista fornece subsídios consistentes para a compreensão das práticas de Gestão Social, especialmente no que diz respeito ao processo de estruturação do sistema deliberativo e da formação da esfera pública, bases de sustentação teórica da Gestão Social. Para viabilizar essa nova abordagem, este artigo propõe um arcabouço teórico que incorpora o sistema deliberativo de Mansbridge (1999) ao modelo estruturacionista multidimensional de sistemas sociais de Whittington (1992). Neste arcabouço, à semelhança do que foi estabelecido por Whittington (1992) para os demais sistemas sociais, são definidos as regras e os recursos básicos (as propriedades estruturadas na perspectiva giddensiana) do sistema deliberativo, respectivamente, argumentação deliberativa e participação dialógica. O arcabouço sugere, ainda, que essas propriedades são, simultaneamente, meio e resultado das práticas de gestão social (entendida como ação gerencial dialógica) configurando aquela que é a concepção central da Teoria da Estruturação: a noção de dualidade da estrutura. Com seu framework, Whittington (1992) entende que está "colocando Giddens em ação", contribuindo para que a Teoria da Estruturação seja utilizada em pesquisas empíricas, não se restringindo às discussões ontológicas. Com a agregação de um sistema deliberativo a esse modelo, acredita-se que se possa contribuir para a consolidação da Gestão Social, estabelecendo uma interface teórica profícua com a Teoria da Estruturação.
metadata.artigo.dc.description.abstract: Social Management, as a field of study and as a social practice, has sought to be consolidated as a type of non-governmental public management in which society is the protagonist. Most studies in the field are based on critical perspective, particularly in Habermas's theory of communicative action. It is our goal to indicate a new avenue for theoretical analysis of Social Management, based on Structuration Theory, proposed by British sociologist Anthony Giddens. Having among its main assumptions the duality of structure (the structure is, at the same time, the means and the result of the action) and the recognition of human action as intentional, reflexive and cognitive, it is understood that the structurationist perspective provides consistent support for the understanding of Social Management practices, especially with regard to the process of structuraction of deliberative system and conformation of the public sphere, the theoretical bases that support Social Management. In order to enable this new approach, this paper proposes a theoretical framework that incorporates Mansbridge's (1999) deliberative system in Whittington's (1992) structurationist multidimensional model of social systems. Within this framework, and similar to what has been established by Whittington (1992) for the other social systems, basic rules and resources (the structural properties in Giddens' perspective) for the deliberative system have been defined - argumentative deliberation and dialogic participation, respectively. The framework also suggests that these properties are both means and outcomes of social management practices (understood as dialogic managerial action), configuring the central idea of the Structuration Theory: the concept of duality of structure. With his framework, Whittington (1992) believes that he is "putting Giddens into action", contributing to the use of the Structuration Theory in empirical research, and not restricting it to ontological discussions of a broader scope. With the addition of a deliberative system to this model, we expect to be contributing to the consolidation of Social Management, establishing a fruitful theoretical interface with the Structuration Theory.
metadata.artigo.dc.identifier.uri: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/37515
metadata.artigo.dc.language: pt_BR
Appears in Collections:DAE - Artigos publicados em periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO_Gestão Social sob a lente estruturacionista.pdf603,32 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons