Use este identificador para citar ou linkar para este item: repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3984
Título: Energia metabolizável verdadeira e aminoácidos digestíveis de alguns alimentos, determinados com galos e por equações de predição
Título(s) alternativo(s): True metabolizable energy and digestible aminoacids of some feeds for birds determined with adult roosters and by prediction equations
Autor : Ost, Paulo Roberto
Primeiro orientador: Rodrigues, Paulo Borges
Primeiro membro da banca: Freitas, Rilke Tadeu Fonseca de
Fialho, Elias Tadeu
Bertechini, Antônio Gilberto
Fassani, Édison José
Área de concentração: Nutrição de Monogástricos
Palavras-chave: Ave - Alimentação e rações
Rações - Composição química
Nutrição de monogástrico
Monogastric nutrition
Data da publicação: 24-Set-2014
Referência: OST, P. R. Energia metabolizável verdadeira e aminoácidos digestíveis de alguns alimentos, determinados com galos adultos e por equações de predição. 2004. 181 p. Tese (Doutorado em Zootecnia)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2004.
Resumo: Seis experimentos foram conduzidos no setor de avicultura do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras - UFLA, em Lavras - MG, Brasil. Os três primeiros trabalhos tiveram o objetivo de determinar os valores de energia metabolizável aparente (EMA), aparente corrigida (EMAn), verdadeira (EMV) e verdadeira corrigida (EMVn) e, a partir dos resultados obtidos, validar equações para predizer a EMVn em função da composição química. Foi utilizado o método de alimentação forçada e avaliados 21 alimentos (sete protéicos e 14 energéticos), sendo sete em cada experimento. No experimento I foram avaliadas cinco marcas de farelo de soja, uma soja integral tostada e uma micronizada. No experimento II foram avaliados o milheto e sorgo (moídos e em grãos), o farelo de glúten 60, o gérmen e a quirera de milho e no experimento III, sete híbridos de milho. Em cada experimento foram utilizados 24 galos Leghorn adultos, sendo que cada galo constituiu uma unidade experimental. Cada alimento foi fornecido a 6 galos (6 repetições), sendo duas repetições no tempo. Simultaneamente foram mantidos 6 galos em jejum para determinação das perdas endógenas e metabólicas. Cada galo foi mantido em jejum 24 horas para esvaziamento do trato digestório e então forçado a ingerir 30 gramas de alimento teste. A partir daí foram realizadas quatro coletas de excretas, de 12 em 12 horas. Ao final deste período, os alimentos e também as excretas foram homogeneizadas para análise de matéria seca, nitrogênio e energia bruta, e foram calculados os valores de energia. Os valores de EMVn foram então contrastados com valores de EMVn estimados a partir de equações de predição descritas na literatura nacional para grupos de alimentos semelhantes aos do presente trabalho. Os valores de EMVn dos farelos de soja variaram de 2531 a 2730 Kcal/kg de MS e os da soja integral tostada e micronizada foram 3732 e 4027 Kcal/kg de MS, respectivamente. O milheto e o sorgo (em grãos e moídos) apresentaram EMVn semelhantes: 3764 e 3759;3714 e 3739 Kcal/kg de MS, respectivamente; já o farelo de glúten, a quirera e o gérmen de milho apresentaram valores de EMVn de 4120, 3521 e 3730 Kcal/kg de MS, respectivamente; a EMVn dos híbridos de milho variou de 3722 a 3952 Kcal/kg de MS; Para as sojas integrais e os farelos de soja, a equação que melhor estimou os valores de energia foi 2690,62 - 40,87FDA + 19,96FDN + 63,09EE; para o milheto, sorgo e subprodutos de milho, as equações que melhor estimaram a EMVn foram 4485,13 - 34,20FDN - 83,83MM e 5283,87 - 10,46PB - 127,51FB + 27,62EE - 171,63MM -14,07AMIDO; já para os híbridos de milho, apenas a equação 4234,28 - 27,58FDN + 50,18EE - 107,54 MM estimou de forma eficiente os valores de EMVn. Nos experimentos IV, V e VI foram utilizados os mesmos alimentos dos experimentos I, II e III, respectivamente. Nestes trabalhos também foi utilizado o método de alimentação forçada, porém com uma adaptação, utilizando galos adultos cecectomizados e, a partir dos resultados, validou-se equações de predição de aminoácidos propostas na literatura nacional e estrangeira. A metodologia experimental foi a mesma descrita para os três primeiros experimentos, no entanto, as análises efetuadas tanto nos alimentos como nas excretas foram matéria seca, nitrogênio e composição em aminoácidos. Uma vez conhecida a quantidade de aminoácidos ingeridos e excretados, bem como a fração endógena determinada com os galos em jejum, determinou-se os coeficientes de digestibilidade verdadeira de cada aminoácido, e então calculou-se o conteúdo em aminoácidos digestíveis. Para as sojas e os farelos, os valores de aminoácidos totais foram aproximadamente 10% inferiores àqueles apresentados pela literatura e os coeficientes de digestibilidade verdadeira dos aminoácidos essenciais e não essenciais desses alimentos foram 91,3 e 90,6%, respectivamente. Dentre os aminoácidos essenciais dos farelos de soja, a isoleucina foi aquele com menor digestibilidade média (86,4%) e a fenilalanina aquele que teve a maior digestibilidade (86,2%). De uma maneira geral, tanto as equações propostas na literatura nacional, para estimar o conteúdo em aminoácidos, totais e digestíveis, de alimentos do grupo da soja, como aquelas propostas na literatura estrangeira para o farelo de soja, não fizeram boas estimativas, não sendo aplicáveis nestas condições. Para o sorgo, milheto e subprodutos de milho, os coeficientes de digestibilidade verdadeira dos aminoácidos essenciais e não essenciais foram 92,39 e 91,72%, respectivamente; observou-se que o processo de moagem melhorou a digestibilidade média dos aminoácidos do sorgo de 90,5 para 93,2% e do milheto de 93,36 para 94,15%; assim como para o grupo da soja, os aminoácidos essenciais apresentaram maior coeficiente médio de digestibilidade que os não essenciais; para este grupo de alimentos a inclusão de variáveis nas equações além da PB piorou a estimativa dos valores de aminoácidos; também para estes alimentos as equações propostas na literatura nacional não fizeram estimativas confiáveis e precisas dos valores de aminoácidos, com exceção da lisina do farelo de glúten que foi bem estimada pela equação 0,26488 + 0,01198PB. Para os híbridos de milho, os coeficientes de digestibilidade médios dos aminoácidos essenciais e dos não essenciais foram 90,65 e 89,80%, respectivamente; de maneira geral, com exceção da equação para estimar a treonina digestível (-0,01738 + 0,03156PB), a qual estimou cinco dos sete híbridos de milho estudados, as equações propostas na literatura nacional, não fizeram boas estimativas do conteúdo em aminoácidos totais e digestíveis dos alimentos estudados; as equações propostas na literatura estrangeira para o milho, fizeram boas estimativas para lisina, metionina, metionina + cistina e treonina, sendo, portanto adequadas para estimação destes aminoácidos.
Six experiments have been conducted in the poultry farming sector of the Animal Science Department of the Federal University of Lavras - UFLA, in Lavras - MG, Brazil. The three first works aimed to determinate the values of apparent metabolizable (AME), corrected apparent (EMAn), true (EMV) and corrected true (EMVn) energy and from the results obtained to validate equations to predict EMVn as related with the chemical composition. The forced feeding method was employed and 21 feeds evaluated (seven protein and 14 energy), its being seven in each experiment. In experiment I, five brands of soybean meal, one toasted whole and one micronized soybean have been evaluated. In experiment II, both millet and sorghum (ground and in grains), gluten 60 meal, corn germen and quirera (crashed corn grains) have been evaluated. In experiment III, seven corn hybrids have been evaluated. In each experiment, 24 adult Leghorn roosters were employed, each rooster being an experimental unit. Each feed was given to six roosters (6 replicates), two replicates being in time. Simultaneously, six fasting roosters were maintained for determination of the endogenous and metabolic losses. Each rooster was kept fasting for 24 hours for emptying the digestive tract and then forced to ingest 30 grams of test feed. For that reason, four collections of excreta every 12 hours were performed. At the end of this period, the feeds and also the excreta were homogenized for analyses of dry matter, nitrogen and gross energy and, the values of energy calculated. The values of EMVn were then contrasted with values of EMVn estimated from prediction equations reported in the national literature for groups of feeds similar to those of the present work. The values of EMVn of soybean meals ranged from 531 to 2730 Kcal/kg of DM and those of toasted and micronized whole soybean were 3732 and 4027 Kcal/kg of DM, respectively. Millet and sorghum (in grains and ground) presented similar EMVn: 3764 and 3759;3714 and 3739 Kcal/kg of DM, respectively; but gluten meal, quirera and corn germen showed values of EMVn of 4120, 3521 and 3730 Kcal/kg of DM, respectively; the EMVn of the corn hybrids ranged from 3722 to 3952 Kcal/kg of . For the whole soybeans and soybean meals the equation which best estimated the values of energy was 2690,62 - 40,87FDA + 19,96NDF + 63,09EE; for millet , sorghum and corn by-products the equations which best estimated EMVn were 4485,13 - 34,20NDF - 83,83MM e 5283,87 - 10,46CP - 127,51CF + 27,62EE - 171,63MM -14,07STARCH; however for corn hybrids only equation 4234,28 - 27,58NDF + 50,18EE - 107,54 MM estimated efficiently the values of EMVn. In experiments IV, V and VI the same feeds of experiments I, II and III were utilized, respectively. In these works forced feeding method was utilized as well , but with an adaptation, utilizing cectomized adult roosters and from the results obtained, the prediction equations of aminoacids proposed in the national and foreign literature was validated. The experimental methodology was the same reported for the three first experiments, nevertheless, the analyses performed both in the feeds and in the excreta were dry matter, nitrogen and composition in aminoacids. Since known the amount of aminoacids ingested and excreted,, as well as endogenous fraction determined on the fasting rosters, the true digestibility coefficients of each aminoacid was determined, and then the content in digestible aminoacids was determined. For the soybeans and meals, the values of total aminoacids were about 10% lower than those presented in the literature and the true digestibility coefficients of essential and non-essential aminoacids of those feeds were 91.3 and 90.6%, respectively. Out of the essential aminoacids of the soybean meals, isoleucine was the one with the poorest average digestibility (86.4%) and phenylalanine the one which presented the poorest digestibility (86.2%). In general, both the equations proposed in the national literature, to estimate the aminoacid content, total and digestible, of feeds of the soybean group and those proposed in the foreign literature for soybean meal have not done good estimates, their not being applicable in these conditions. For sorghum, millet and corn by-products, the true digestibility of the essential and non-essential were 92.39 and 91.72%, respectively; it was found that grinding process improved the average digestibility of aminoacids of sorghum from90.5 to 93.2% and of millet from 93.36 to 94.15%; as well as for the soybean group, essential aminoacids presented average digestibility coefficient higher than non essential; for this group of feeds, the inclusion of variables in the equations in addition to CP has worsened the estimates of the values of aminoacids; also for these feeds, the equations proposed in the national literature have not done reliable and accurate estimates of the values of aminoacids, apart from lysine of gluten meal which was well estimated by the equation 0.26488 + 0.01198PB. For the corn hybrids, the average digestibility coefficients of essential and of the non essential aminoacids were 90.65 and 89.80%, respectively; in general, excepting the equation for estimating digestible threonine (-0.01738 + 0.03156PB), which estimated five of the seven corn hybrids studied, the equations proposed in the national literature have not done good estimates of the content of total and digestible aminoacids of the feeds studied; the equations proposed in the foreign literature for corn have done good estimates for lysine, methionine, methionine + cistyne and threonine, their being, therefore, adequate for the estimating of these aminoacids.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3984
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções:DZO - Zootecnia - Doutorado (Teses)



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.