Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DAG - Departamento de Agricultura >
DAG - Programa de Pós-graduação >
DAG - Agronomia/Fitotecnia - Doutorado (Teses) >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/4037

Título: Silício na micropropagação de bananeira: características morfofisiológicas
Título Alternativo: Silicon in micropropagation of banana: morphophysiological characteristics
Autor(es): Asmar, Simone Abreu
Orientador: Pasqual, Moacir
Membro da banca: Ferreira, Ester Alice
Pio, Leila Aparecida Salles
Carvalho, Janice Guedes de
Silva, Sebastião Oliveira e
Araujo, Aparecida Gomes
Área de concentração: Produção Vegetal
Assunto: Musa spp.
Cultura de tecidos
Silicato
Tissue culture
Silicate
Data de Defesa: 1-Dez-2010
Data de publicação: 25-Set-2014
Referência: ASMAR, S. A. Silício na micropropagação de bananeira: características morfofisiológicas. 2010. 89 p. Tese (Doutorado em Agronomia/Fitotecnia)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2010.
Resumo: Banana fruit has an outstanding social and economic expression all over the world, its being regarded as an important source of food and on the fruits of highest consumption and production among the tropical fruit-bearing species. One of the main aspects limiting the spread of the crop is the use of conventional method-produced seedlings. The in vitro cultivation has been accepted in a number of areas of commercial agriculture, chiefly in fruit-bearing trees. For not being regarded as an element essential to plants, silicon has not been much studied in micropropagation, nevertheless, its use contributed to the final quality of the product. It confers increased photosynthetic capacity, reduction of water loss to plants and also promotes increased growth. The present work was intended to evaluate the sources of silicon in banana tree micropropagation by means of phytotechnical, biochemical, ultrastructural and anatomical analyses aiming to improve the physiological and phytosanitary quality of the in vitro-produced seedlings. Propagules already established in vitro and inoculated in Murashige & Skoog (MS) medium, added of 30g L-1 of sucrose, 1mg L-1 of ANA (naftalenoacetic acid) and solidified with 1.8 g L-1 of PhytagelTM were used. Three sources of silicate added to the MS medium, sodium silicate and calcium silicate at the dosage of 1g L-1 and MS medium without silicate as a control were tested. The propagules were kept for 45 days in a growth room under controlled conditions. Increase in the contents of a, b and total chlorophyll in the presence of calcium silicate was found. The supplementation of the culture medium with sodium silicate promotes increase of length, fresh and dry matter of the shoot. As to the anatomical characteristics, increased number of stomata and ratio polar and equatorial diameter are obtained by using source of silicon into the medium. The addition of calcium silicate provides greater thickness of epidermis, mesophyll, palisade parenchyma and increases the photosynthetic rate. The plants were also evaluated 60 days after transplanting and it follows that use of silicon in the in vitro rooting brings benefits during acclimatization of the banana tree. Calcium and potassium silicates promote increase of a, b and total chlorophyll; higher contents of cellulose and tannins are obtained with sodium silicate; increased diameter of the pseudostem, fresh and dry mass of shoot and fresh mass of root are obtained by utilizing silicon source. The process acclimatization is fundamental, for it provides increase in the epicuticular wax layer in banana tree leaves.
A banana tem destacada expressão social e econômica em todo o mundo, sendo considerada importante fonte de alimento e uma das frutas de maior consumo e produção entre as espécies frutíferas tropicais. Um dos principais aspectos que limitam a expansão da cultura da bananeira é a utilização de mudas produzidas por métodos convencionais. Assim, o cultivo in vitro tem sido uma boa alternativa devido à obtenção de grande quantidade de mudas sadias em menor tempo e espaço físico. Por não ser considerado um elemento essencial às plantas, o silício não tem sido muito estudado na micropropagação, no entanto, seu uso contribui para a qualidade final do vegetal. Ele confere proteção às plantas, aumento da capacidade fotossintética, redução de perda de água e promove maior crescimento. O presente trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar fontes de silício na micropropagação de bananeira, por meio de análises fitotécnicas, bioquímicas, ultraestruturais e anatômicas, visando melhorar a qualidade final das mudas produzidas in vitro. Utilizaram-se propágulos já estabelecidos in vitro e inoculados em meio Murashige & Skoog (MS), adicionado de 30g L-1 de sacarose, 1mg L-1 de ANA (ácido naftalenoacético) e solidificado com 1,8 g L-1 de PhytagelTM. Foram testadas três fontes de silicato acrescidas ao meio MS, silicato de sódio, silicato de potássio e silicato de cálcio, na dosagem de 1g L-1 e o meio MS sem silicato como testemunha. Os propágulos foram mantidos, por 45 dias, em sala de crescimento, sob condições controladas. Verificou-se aumento nos teores de clorofila a, b e total na presença de silicato de cálcio. A suplementação do meio de cultura com silicato de sódio promove aumento de comprimento, massa fresca e seca de parte aérea. Quanto às características anatômicas, maior número de estômatos e relação diâmetro polar e equatorial é obtido utilizando-se fonte de silício ao meio. A adição de silicato de cálcio proporciona maior espessura de epiderme, mesofilo e parênquima paliçádico e aumenta a taxa fotossintética. As plantas também foram avaliadas 60 dias após o transplantio e conclui-se que o uso do silício in vitro traz benefícios durante a aclimatização de bananeira. Os silicatos de cálcio e potássio promovem aumento de clorofila a, b e total; maiores teores de celulose e taninos são obtidos com silicato de sódio e maior diâmetro do pseudocaule, massa fresca e seca de parte aérea e massa fresca de raiz são obtidos utilizando fonte de silício. O processo de aclimatização é fundamental, pois proporciona aumento na camada de cera epicuticular em folhas de bananeira.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/4037
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções: DAG - Agronomia/Fitotecnia - Doutorado (Teses)

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
TESE_Silício na micropropagação de bananeira características morfofisiológicas.pdf4,24 MBAdobe PDFVer/abrir

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback