Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DBI - Departamento de Biologia >
DBI - Programa de Pós-graduação >
DBI - Genética e Melhoramento de Plantas - Doutorado (Teses) >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/487

Título: Variabilidade de isolados sexuais e assexuais de lesões de antracnose do feijoeiro
Autor(es): Pinto, Joyce Mendes Andrade
Orientador: Souza, Elaine Aparecida de
Membro da banca: Alves, Eduardo
Santos, João Bosco dos
Queiroz, Marisa Vieira de
Cardoso, Patrícia Gomes
Área de concentração: Genética e Melhoramento de Plantas
Assunto: Colletotrichum lindemuthianum
Variabilidade genética
Glomerella cingulata f. sp. phaseoli
Compatibilidade sexual
Tubos de anastomose entre conídios
Conídios
Sexual compatibility
Genetic variability
Conidial anastomosis tubes
Data de Defesa: 2012
Data de publicação: 2013
Agência de Fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq
Referência: PINTO, J. M. A. Variabilidade de isolados sexuais e assexuais de lesões de antracnose do feijoeiro. 2012. 103 p. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Plantas)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2012.
Resumo: Antracnose do feijoeiro, causada pelo patógeno Colletotrichum lindemuthianum, interfere negativamente na produção do feijão no Brasil. A fase sexual do patógeno, Glomerella cingulata f. sp. phaseoli, tem sido isolada de lesões de antracnose em plantas de feijoeiro coletadas do campo no Brasil. Entretanto, os isolados da fase sexual têm demonstrado características que os diferem dos isolados assexuais. Dessa forma, este estudo foi realizado com o objetivo de caracterizar populações da fase assexual e sexual, obtidas a partir de lesões de antracnose do feijoeiro, visando detectar e quantificar a diversidade dentro e entre as populações. Para tanto, foram analisados dados de patogenicidade, morfológicos, fisiológicos, culturais e moleculares de cada população, para fomentar as discussões a respeito da hipótese de mais de uma espécie estar envolvida neste complexo sistema. Foram avaliados 74 isolados de C. lindemuthianum e 73 isolados de G. cingulata f. sp. phaseoli. Os caracteres avaliados demonstraram alta variabidade dentro e entre as populações. Testes de patogenicidade indicaram que, diferente da população assexual, os isolados da população sexual não causam sintomas quando inoculados na cultivar suscetível Pérola, exceto para seis isolados que apresentaram esporulação semelhante aos isolados da fase assexual. O índice de velocidade do crescimento micelial e o diâmetro colonial demonstraram que os isolados sexuais apresentam crescimento micelial mais rápido que os isolados assexuais. Porcentagem de germinação da população sexual, na média, também foi superior à apresentada pelos isolados assexuais. Na comparação das dimensões dos esporos, os conídios da população assexual foram maiores do que os conídios da população sexual. Em ambas as populações foram observados tubos de anastomose entre conídios (CATs) e septo nos conídios germinados, em proporções variando de acordo com o isolado. Para os ascósporos não se detectaram tubos de anastomose e 100% se mostraram septados após a germinação. Não foi observada compatibilidade sexual entre os isolados da população assexual, fato que ocorreu entre os isolados da população sexual. O par de primers específico para os isolados de C. lindemthianum amplificou somente para os isolados assexuais, enquanto o par de primers desenhado para a população sexual amplificou para os isolados sexuais, exceto para aqueles que apresentaram sintomas quando inoculados na cultivar Pérola. Estes isolados não se agruparam com nenhum outro isolado na árvore filogenética, a qual também separou os isolados sexuais do isolado de C. lindemuthianum. Conjuntamente, os resultados apresentados neste estudo sugerem que mais de uma espécie está envolvida neste sistema patógeno-hospedeiro. Sugerimos, portanto, que os isolados da fase sexual, descritos na literatura como G. cingulata f sp. phaseoli, os quais são provenientes de colônias monosacospóricas, não pertencem à mesma espécie dos isolados da fase assexual, provenientes de colônas monospóricas, descritos na literatura como C. lindemuthianum.
Common bean anthracnose, caused by Colletotrichum lindemuthianum, resulting in severe yield losses in Brazil. The sexual phase, Glomerella cingulata f. sp. phaseoli, have been isolated from anthracnose lesions on common bean plants in the field in Brazil. However, sexual isolates show several characteristics not coincident with asexual isolates. The objective of this work was to analyse asexual and sexual populations from lesions of anthracnose beans to investigate the variability within and between populations. We evaluated several characteristics like pathogenicity, morphology, physiology, cultural and molecular data from each population, to discuss the hypothesis if there is more than one species in this complex system. We analysed 74 isolates of C. lindemuthianum and 73 isolates of G. cingulata f. sp. phaseoli. All characteristics showed high variability within and between populations. Pathogenicity assays indicated, differently of asexual isolates, sexual isolates do not cause symptoms when inoculated on susceptible cultivar Perola, excepting for six isolates that present sprorulation similar to asexual isolates. Indexes of mycelial growth rate and colony diameter assays indicated that sexual isolates grow faster than asexual isolates. Percentage of germination of sexual population was higher than the percentage showed by the asexual population. Conidial cytology indicated that asexual population presents conidial bigger than sexual population. In both population, sexual and asexual, were observed fusion of conidial anastomosis tubes (CATs) and septa formation after germination, in different proportions, depending of strain analysed. We did not observe anastomosis tubes in ascospores and 100% of them presented septa after germination. Sexual compatibility was showed only to isolates of sexual population. Specific primers to C. lindemthianum isolates (HMGCLF e HMGCLR) amplified only to isolates of asexual population. Whereas primers designated to sexual population (HMGGLOF e HMGGLOR) amplified to G. cingulata f. sp. phaseoli isolates, excepting for six isolate that cause symptoms when inoculated on susceptible cultivar Perola. Those six isolates did not group with another isolate in the phylogenetic tree. In the phylogenetic tree C. lindemuthianum isolate did not group with the sexual isolates tested. Those results showed in this study suggest that more than one species can be found on this pathogen-host system. Therefore, we conclude that isolates of sexual phase, described in the literature as G. cingulata f sp. phaseoli are not from the same species that isolates of asexual phase, described in the literature as C. lindemuthianum.
Informações adicionais: Tese apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas, área de concentração em Genética e Melhoramento de Plantas, para a obtenção do título de Doutor.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/487
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções: DBI - Genética e Melhoramento de Plantas - Doutorado (Teses)

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
TESE Variabilidade de isolados sexuais e assexuais de lesões de antracnose do feijoeiro.pdf2,61 MBAdobe PDFVer/abrir

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback