Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DED - Departamento de Educação >
DED - Programa de Pós-graduação >
DED - Educação - Mestrado Profissional (Dissertações) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/4976

Title: Quando eu pulei o muro: travestilidades em corpos-existências apesar dos silêncios da escola
Other Titles: When i jumped the wall: transvestites in bodies-existênces despite the silences in school
???metadata.dc.creator???: Pereira, Marlyson Junio Alvarenga
???metadata.dc.contributor.advisor1???: Ribeiro, Cláudia Maria
???metadata.dc.contributor.referee1???: Ferrari, Anderson
Reis, Fábio Pinto Gonçalves dos
???metadata.dc.description.concentration???: Formação de Professores
Keywords: Travestilidade
Corpo-existência
Transformação
Resistência
Transvestites
Bodies-existence
Transformation
Resistance
???metadata.dc.date.submitted???: 25-Nov-2014
Issue Date: 29-Jan-2015
Citation: PEREIRA, M. J. A. Quando eu pulei o muro: travestilidades em corpos-existências apesar dos silêncios da escola. 2014. 99 p. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2014.
???metadata.dc.description.resumo???: No presente trabalho problematizam-se narrativas de travestis sobre suas vidas e sobre o período que passaram na escola. São suas lembranças que evoquei aqui. Histórias de tristezas, de dores e de alegrias, de discriminação e preconceito. Vidas que ousaram se construir em contradição com a norma estabelecida. No entanto, para se fazerem, para desabrocharem como que saindo do casulo e se transformarem, essas usarão de muitas técnicas e estratégias no que chamei de corpos-existência, pois essas constroem seus corpos e se inventam em um eterno devir. Portanto, suas existências passam pela construção desses corpos e se fazem justamente nessa construção. A passagem do menino afeminado à travesti é um processo muitas vezes dolorido, pois uma de suas técnicas é o uso do silicone industrial, o qual é injetado por outra travesti mais velha, revelando, assim, a abjeção desse processo. A transformação é um rito de passagem, é um segundo nascimento. E, assim, fui tecendo a malha que é problematizar suas falas, articulando-as à teoria. Trazer suas narrativas de vida e ir juntamente aos escritos do pós-estruturalismo, pensando essa sociedade, essa escola em que as travestis estão imersas, ou não e tentar repensar essa norma, ou ainda essa heteronorma, como sendo a única forma de expressar desejos e sexualidades. É problematizada toda a abjeção que seus corpos sofrem por descumprirem um padrão, uma linearidade do sexo-gênero-desejo. E dizer que seus corpos inventam uma nova estética do existir. Suas resistências criativas tornam-se estratégicas frente ao biopoder. Portanto, foi para repensar a discriminação e o preconceito; para repensar a abjeção, as violências e a reafirmação da norma pela escola que este trabalho foi feito. Tratei de vidas que ousam enfrentar a heteronormatividade, que ousam viver seus desejos em meio a tantos percalços e intempéries. As narradoras são trazidas como atravessantes da existência, como novas construtoras de si perante um padrão falocêntrico, branco e de classe média e uma escola que ainda se cala em meio a tantas injustiças e violências sofridas pelas/os chamadas/os “estranhos”.
In the present work, we problematized transvestite narratives about their lives and the period they underwent school. It is their memories that I evoke here. Stories of sorrows, of pain and of joy, of discrimination and prejudice. Lives that they dared build in contradiction to the established norm. However, in order to make themselves, to develop as of leaving the cocoon and transform, they will use many techniques and strategies in what I called bodies-existence, for they build their bodies and invent an eternal future. Therefore, their existence undergo the construction of these bodies and are made exactly in this construction. The passage from the effeminate boy to transvestite is a process, most of the time, painful, since one of its techniques is the use of industrial silicone, which is injected by an older transvestite, thus revealing the abjection of this process. The transformation is a passage ritual, a second birth. Thus, I weaved the mesh that is problematizing their speeches, articulating them with the theory. Bring their life narratives and go along with the post-structuralism writings, thinking this society, this school in which the transvestites are immersed or not, and try to rethink this norm, or even this heteronorm, as being the only form of expressing desires and sexualities. All the abjection their bodies suffer for not complying with a standard, a linearity of the sex-gender-desire is problematized. And say that their bodies invent a new aesthetic of existence. Their creative resistances become strategic when facing the bio-power. However, it was to rethink the discrimination and the prejudice; to rethink the abjection, the violence and the reaffirmation of the norm by school that this work was conducted. I addressed the lives that dare to face heteronormativity, that dare to live their desires inside all the difficulties and adversities. The narrators were brought as passengers of existence, as new builders of self, considering a phallocentric, white and of middle class standard and a school that is still silent in the midst of so many injustice and violence suffered by the called “strange”.
Description: Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Educação - Mestrado Profissional, área de concentração em Formação de Professores, para a obtenção do título de Mestre.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/4976
Publisher: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
???metadata.dc.language???: pt_BR
Appears in Collections:DED - Educação - Mestrado Profissional (Dissertações)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
DISSERTAÇÃO_Quando eu pulei o muro travestilidades em corpos-existências apesar dos silêncios da escola.pdf676.71 kBAdobe PDFView/Open

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.


View Statistics

 


DSpace Software Copyright © 2002-2010  Duraspace - Feedback