Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DMV - Departamento de Medicina Veterinária >
DMV - Programa de Pós-graduação >
DMV - Ciências Veterinárias - Mestrado (Dissertações) >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/530

Título: Resposta digestiva de bovinos a doses de levedura autolisada
Autor(es): Gomide, Débora Ribeiro
Orientador: Pereira, Marcos Neves
Coorientador(es): Pereira, Renata Apocalypse Nogueira
Membro da banca: Pereira, Marcos Neves
Andrade, Gustavo Augusto de
Souza, Raimundo Vicente de
Área de concentração: Ciências Veterinárias
Assunto: Saccharomyces cerevisiae
Produção microbiana
Rúmen
Saccharomyces cerevisiae
Microbial Yield
Data de Defesa: 2012
Data de publicação: 2013
Agência de Fomento: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais, FAPEMIG
Referência: GOMIDE, D. R. Resposta digestiva de bovinos a doses de levedura. 2012. 58 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Veterinárias)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2012.
Resumo: Nove novilhas, com cânula ruminal (510 kg), foram avaliadas quanto à resposta à suplementação com S. cerevisiae autolisada (Levabon Rumen, Biomin Nutrição Animal, Piracicaba, SP). Receberam uma sequência de três tratamentos, em delineamento quadrado latino 3x3, durante períodos de 35 dias. Os tratamentos foram: 0 g/d, 10 g/d e 30 g/d, fornecidos através da cânula duas vezes por dia, juntamente com a dieta basal. A dieta em % da matéria seca (MS) continha: 51,8 de silagem de milho e 48,2 de concentrado, com 15 % de proteína bruta (PB), 34 % de fibra em detergente neutro (FDN) e 39 % de carboidrato não fibroso (CNF). Foi induzida queda no pH ruminal, no dia 34 de cada período, por remoção da alimentação, 6 h após o fornecimento, e alimentação ad libitum, no dia 35. O pH do rúmen foi avaliado nos dias 28 e 35 às 0, 3, 6, 9, 12, 18 e 24 horas após a alimentação; a concentração de amônia e o nitrogênio ureico no plasma (NUP) foram avaliados, simultaneamente, no dia 28; dia em que foram avaliados também os ácidos graxos de cadeia ímpar. O feno de tifton foi incubado in situ, nos dias 30 a 33. A digestibilidade aparente no trato digestivo total da MS foi feita por coleta total de fezes, nos dias 31 a 33. Simultaneamente a urina foi coletada e utilizada para estimar a produção microbiana ruminal, por meio da excreção de alantoína. Os modelos estatísticos possuem efeito de período, de novilha e de tratamento; alguns, também, com efeito de tempo e de interação tempo tratamento. Os contrastes pré-planejados foram: T0 x T10 e T0 x T30. O pH ruminal não respondeu aos tratamentos. O protocolo foi eficiente em causar acidose subaguda, onde o pH permaneceu em média por 11,28 h abaixo de 5,8 no dia 35. A excreção urinária de alantoína em mmol/d foi: 53,3 em T0; 60,5 em T10 (P=0,50) e 77,6 em T30 (P=0,04). Houve tendências para aumento no kd da fração B, do feno de tifton, no T30 para MS (P=0,07) e para FDN (P=0,06). A digestibilidade total da MS foi (% do consumo): 67,3 em T0, 68,4 em T10, 69,5 em T30 (P>0,28). Nos dias 28 a 33, a ingestão de MS foi aumentada de 11,7 kg/d para 12,5 em T10 (P=0,04), mas nenhuma resposta foi induzida para T30 (P=0,88). A concentração de amônia ruminal não diferiu (P>0,58), enquanto o NUP (mg/dL) foi: 17,5 em T0, 18,5 em T10 (P=0,14) e 19,1 em T30 (P=0,03). O T10 induziu uma curva de NUP mais plana, ao longo do dia, em relação a T0 e T30. Os picos de amônia no rúmen, posteriores à alimentação da manhã, induziram picos de NUP, enquanto os picos noturnos foram seguidos de diminuição do NUP. T10 e T30 aumentaram a concentração de iso C17:0, tenderam a aumentar iso C17:0 + iso C15:0. A suplementação com levedura autolisada induziu o crescimento de bactérias celulolíticas e a produção microbiana. Além de aumento numérico e dose dependente quanto à digestibilidade.
Response to autolyzed S. cerevisiae supplementation (Levabon Rumen, Biomin) was evaluated. Nine ruminally cannulated heifers (510kg) received a sequence of treatments in 35-d period, 3x3 Latin Squares. Treatments were 0, 10 or 30g/d, given twice daily via cannula. A TMR was individually fed twice a day: 51.8% corn silage, 48.2% concentrate, 15% CP, 34% NDF, 39% NFC. Low ruminal pH was induced by feed removal at 12h post-morning feeding on d 34 and ad libitum feeding on d 35. Ruminal pH was evaluated on d 28 and 35 at 0, 3, 6, 9, 12, 18 and 24h post-feeding, and ruminal ammonia and PUN simultaneously on d 28. Tifton was incubated in situ over time on d 30 to 33. Total tract digestibility of DM was done by total collection of feces on d 31 to 33, simultaneously to urine sampling to estimate the relative rumen microbial yield by allantoin excretion. Statistical models had the effects of heifer, period and treatment; some had time and time by treatment interaction. Preplanned contrasts were: T0 vs. T10 and T0 vs. T30. Ruminal pH did not respond to treatments (P > 0.20), neither protozoa count (P > 0.24). Mean and minimum pH were 6.45 and 6.01 on d 28, and 6.16 and 5.38 on d 35, respectively, nadir was at 12h post-feeding. Urinary allantoin excretion was (mmoles/d): 53.3 on T0, 60.5 on T10 (P = 0.50), 77.6 on T30 (P = 0.04). There were trends for increased kd of Tifton B fraction on T30 for DM (P = 0.07) and NDF (P = 0.06). Total tract DM digestibility was (% of intake): 67.3 on T0, 68.4 on T10, 69.5 on T30 (P > 0.28). Days 28 to 33 DMI was increased from 11.7kg/d to 12.5 on T10 (P = 0.04), but T30 induced no response (P = 0.88). Day 35 DMI was: 17.0 on T0, 17.2 on T10, 16.4 on T30 (P > 0.43). Ruminal ammonia concentration did not differ (P > 0.58), but PUN was (mg/dL): 17.5 on T0, 18.5 on T10 (P = 0.14), 19.1 on T30 (P = 0.03). T10 induced a flattened PUN curve along the day. Ruminal ammonia peaks posterior to the morning feeding induced PUN peaks, while the evening ammonia peak was associated to decreasing PUN concentration. Autolyzed yeast supplementation induced positive dose dependent responses in rumen microbial yield, digestion and DMI. Ruminal pH regulation by yeast was not a plausible mechanism for the response.
Informações adicionais: Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, área de concentração em Ciências Veterinárias, para obtenção do título de Mestre.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/530
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções: DMV - Ciências Veterinárias - Mestrado (Dissertações)

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
DISSERTAÇÃO Resposta digestiva de bovinos a doses de levedura. 2012.pdf680,46 kBAdobe PDFVer/abrir

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback