Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/758
Título: Fungos filamentosos e micotoxinas em uvas, sucos, mostos e vinhos das regiões Sudeste e Nordeste do Brasil
Autor : Silva, Daiani Maria da
Primeiro orientador: Batista, Luís Roberto
metadata.teses.dc.contributor.advisor-co: Pereira, Giuliano Elias
Primeiro membro da banca: Lima, Luís Carlos de Oliveira
Chalfoun, Sara Maria
Mota, Renata Vieira
Dias, Disney Ribeiro
Botelho, Deila Magna dos Santos
Área de concentração: Microbiologia Agrícola
Palavras-chave: Fungos filamentosos - Biodiversidade
Ocratoxina A
Vitis vinifera L
Vitis labrusca
Fungi filamentous
Fungi filamentous - Biodiversity
Data da publicação: 2013
Referência: SILVA, D. M. da. Fungos filamentosos e micotoxinas em uvas, sucos, mostos e vinhos das regiões Sudeste e Nordeste do Brasil. 2013. 184 p. Tese (Doutorado em Microbiologia Agrícola) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2012.
Resumo: Diversas espécies de fungos podem se desenvolver durante os diferentes estágios de maturação das uvas nos vinhedos entretanto, os gêneros Aspergillus e Penicillium são considerados os principais produtores de ocratoxina A (OTA) em uvas e seus derivados, principalmente nas tradicionais regiões vinícolas do mundo. Neste contexto, este estudo foi realizado com o objetivo de avaliar a biodiversidade de fungos filamentosos, na superfície de uvas saudáveis, sementes e mosto destinadas a elaboração de vinho (Vitis vinifera) e suco (Vitis labrusca) obtidas em áreas de vitivinicultura do Brasil e, verificar a incidência de espécies produtoras de OTA durante a elaboração de vinhos e correlacionar com o teor de ocratoxina A nos produtos finais. O isolamento dos fungos das bagas de uvas e sementes foi realizado por Plaqueamento Direto em meio Agar Dicloran Rosa de Bengala Cloranfenicol (DRBC). Para as amostras de mosto utilizou-se a técnica de plaqueamento em superfície a partir de diluições seriadas. Os fungos isolados foram purificados e identificados com o auxílio de manuais de identificação. A produção de OTA por fungos foi determinada pelo método Plug Agar. A quantificação de Ocratoxina A (OTA) das amostras de vinhos e sucos de uva foi realizada pelo método de Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE), com detecção por fluorescência. Das amostras analisadas de bagas, sementes e mosto de uva um total de 2949 fungos e 16 gêneros foram isolados e identificados. As espécies de Aspergillus foram mais frequentes na região de clima mais quente, enquanto que as espécies de Penicillium nas regiões com temperaturas mais baixas. As espécies de Aspergillus Seção Nigri mais frequentes foram: A.japonicus, A. niger e A. tubingensis. As espécies ocratoxigênicas identificadas foram A.niger e A.carbonarius. Todos os isolados de A.carbonarius foram produtores de OTA, demonstrando que esta espécie é a principal fonte desta toxina em uvas. No gênero Penicillium as espécies mais frequentes foram: P.brevicompactum, P.glabrum, P.pinophilum e P.crustosum. Os demais gêneros identificados neste estudo foram: Acremonium sp, Alternaria sp, Cladosporium sp, Curvularia sp, Dreschelera sp, Fusarium sp, Gliocladium sp, Oidiodendron sp, Rhizopus sp, Trichoderma sp, Ulocladium sp, Xilaria sp. A OTA foi detectada em seis amostras correspondendo a 42,6% das amostras analisadas, em concentrações entre 0,02 a 0,78 μg/L. O nível mais elevado da OTA foi encontrado na amostra de vinho elaborado a partir da variedade Petit verdot cultivada no Vale do Submédio São Francisco. Apenas na amostra de suco de uva elaborado a partir da variedade BRS Violeta foi detectada a presença da OTA na concentração de 0,03μg/L. Os níveis de OTA detectados foram inferiores ao limite máximo tolerável para esta toxina em vinho e suco de uva estabelecido pela Legislação Brasileira de 2,0μg/L.
Various species of fungi may develop during the different maturation stages of grapes in the vineyards, however, the genus Aspergillus and Penicillium are considered the main producers of Ochratoxin A (OTA) in grapes and their derived, mainly in the traditional vineyard regions of the world. In this context, this study was performed with the objective of evaluating filamentous fungi biodiversity, in the surface of healthy grapes, seeds and must destined for the production of wine (Vitis vinifera) and juice (Vitis labrusca) obtained in vitiviniculture areas in Brazil, and also verifying the incidence of OTA producing species during wine production and at correlating with the OTA content in the final products. The isolation of the fungi from the grape berries and seeds was done by direct plating technique in a mycological media dicholoran rose bengal chloranphenicol (DRBC). For the must samples, a surface plating of serially diluted samples technique was used. The isolated fungi were purified and identified with the aid of identification manuals. The production of OTA by fungi was determined by the Agar Plug method. The quantification of Ochratoxin A (OTA) from the wine and grape juice samples was performed by the High-Performance Liquid Chromatography (HPLC) method, with detection by fluorescence. Of the berriy, seed and must samples analyzed a total of 2949 fungi and 16 genus were isolated and identified. The Aspergillus species were more frequent in warmer climate regions, while the Penicillium species in the lower temperature regions. The most frequent Aspergillus nigri section species were: A. japonicas, A. niger and A. tubingensis. The identified ochratogenic species were A. niger and A. carbonarius. All the A. carbonarius isolates were OTA producers, demonstrating that this species is the main source of this toxin in grapes. In the Penicillium genus, the most frequent species were: P. brevicompactum, P. glabrum, P. pinophilum and P. crustosum. The remaining genus identified in this study were: Acremonium sp, Alternaria sp, Cladosporium sp, Curvularia sp, Dreschelera sp, Fusarium sp, Gliocladium sp, Oidiodendron sp, Rhizopus sp, Trichderma sp, Ulocladium sp and Xilaria sp. The OTA was detected in six samples, correspondent to 42.6% of the analyzed samples, in concentration between 0.02 and 0.78 μg/L. The most elevated level of OTA was found in the wine sample produced from the Petit verdot variety in the Vale Submédio São Franscisco. Only in the grape juice sample produced from the Violet BRS variety the presence of OTA was detected in the concentration of 0.03μg/L). The OTA levels detected were inferior to the maximum limit tolerable for this toxin in wine and grape juice of 2.0 μg/L, established by the Brazilian Legislation.
metadata.teses.dc.description: Tese apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Agrícola, área de concentração em Microbiologia Agrícola, para a obtenção do título de Doutor.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/758
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções:DBI - Microbiologia Agrícola - Doutorado (Teses)



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.