Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
Revistas UFLA >
Organizações Rurais & Agroindustriais >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/8922

Título: Situação perspectivas da cadeia laticinista de Minas Gerais no contexto do MERCOSUL
Autor(es): Sato, Renata Akemi de Carvalho
Reis, Antônio João dos
Reis, Ricardo Pereira
Publicador: Organizações Rurais & Agroindustriais
Publicação: 1-Jan-2001
Referência: SATO, R. A. de C.; REIS, A. J. dos; REIS, R. P. Situação perspectivas da cadeia laticinista de Minas Gerais no contexto do MERCOSUL. Cadernos de Administração Rural, Lavras, v. 8, n. 1. jan./jul. 1996.
Resumo: A integração do Mercado Comum do Sul (MERCOSUL) vai se afirmando como uma das mais importantes iniciativas diplomáticas deste final de século. O Brasil encontra nesse mercado um instrumento vital para inserção mais eficiente e moderna na economia internacional, desvencilhandose dos resíduos protecionistas do passado, incompatível com as novas realidades do mundo contemporâneo. A produção leiteira e o processamento industrial do leite são importantes atividades do estado de Minas Gerais, sendo este o maior produtor de leite e queijo do País. O complexo lácteo é uma cadeia produtiva sensível à integração econômica do Mercado Comum. A alta produtividade leiteira da Argentina e Uruguai confronta-se diretamente com a baixa produtividade do Brasil. A maior importação de produtos lácteos pelo Brasil ocorreu em 1995. Somente no item queijos, as importações totais eqüivaleram a aproximadamente 25% da produção formal no país. Nesse mesmo ano, a Argentina exportou para o Brasil, somente nos itens queijo e requeijão 6.808,7 toneladas (Nogueira Netto, 1996). Ressalta-se que o custo de produção de leite na Argentina é inferior ao de Minas Gerais, e que segundo estudos de Andrade (1994) para cada litro produzido em Minas Gerais, produz-se em média, 2.1 litros na Argentina. Já a industrialização do queijo na Argentina perde competitividade em relação à nacional, revelando vantagem comparativa porteira afora. No Brasil a perda de competitividade em relação à Argentina é porteira adentro (Lopes e Jank, 1995). No entanto, existem perspectivas de que os fatores de produção oriundos do Mercado Comum cheguem até os pecuaristas brasileiros a preços inferiores aos adquiridos nacionalmente e desse modo, possam reduzir internamente o custo da matéria-prima e consequentemente o preço do queijo. O objetivo central desta pesquisa consiste na avaliação da competitividade da cadeia agroindustrial do queijo de Minas Gerais, busca-se comparar os custos de produção do queijo no Brasil e na Argentina, avaliando os custos de industrialização do queijo mineiro, produzido com a utilização do leite com insumos importados do mercado argentino.
Outras Identificações: http://revista.dae.ufla.br/index.php/ora/article/view/123
Idioma: por
Aparece nas coleções: Organizações Rurais & Agroindustriais

Arquivos neste Item:

Não há arquivos associados para este Item.

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback