Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2144
Título: Crescimento, anatomia, metabolismo anaeróbico e sistema de defesa antioxidante de plantas em condições de alagamento
Título(s) alternativo(s): Growth, anatomy, anaerobic metabolism and antioxidant defense sistem of plants in flooding conditions
Autor : Zanandrea, Ilisandra
Primeiro orientador: Alves, José Donizeti
Área de concentração: Fisiologia Vegetal
Palavras-chave: Metabolismo anaeróbico
Estresse oxidativo
Melinis minutiflora
Sesbania virgata
Polygonum acuminatum
Anaerobic metabolism
Oxidative stress
Data da publicação: 4-Ago-2014
Referência: ZANANDREA, I. Crescimento, anatomia, metabolismo anaeróbico e sistema de defesa antioxidante de plantas em condições de alagamento. 2009. 73 p. Tese (Doutorado em Fisiologia Vegetal)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2009.
Resumo: The aim of this work was to investigate the flooding effect in Sesbania virgata, Polygonum acuminatum e Melinis minutiflora plants, and their adaptation capacity to flooding. Plants with six leaves completely expanded were put inside the tanks and submited to the following conditions: control (not flooded), root flooded and completly flooded. The evaluation was realizated in the begining of the stress induction, and after 7, 14, 21, 28, 35, 42, 49 and 56 days to S. virgata, 3, 6, 9, 12, 15, 18 and 21 to P. acuminatum, and 1, 2, 3, 4 and 5 days to M. minutiflora. Fifteen days after return to normoxic conditions the plant survival, vegetative growth (lenght, number of leaves, plant and roots dry mass), carbohidrates, anaerobic metabolism enzime activity (Lactate Dehydrogenase, Decarboxylase of pyruvate and Dehydrogenase Alcoholic), anti-oxidant enzime activity (dismutase of superoxide, catalase, peroxidase of ascorbate, dehydroascorbate reductase and reductase of glutathione), and biochemistry components directly envolved with oxidative stress (hydrogen peroxide, lipid peroxidation, ascorbate and dehydroascorbate) were evaluated. S. Virgata and P.acuminatum are tolerant to flooding, supporting periods of 56 and 21 days respectively. The causes of this tolerance are: Active photosyntesis during the stress period; accumulation and utilization of carbohydrates in leaves and roots and maintenance of vegetative growth, activation of anaerobic metabolism , mainly in steps catalyzed by the enzymes piruvate descarboxilase, alcohol desidrogenase; activation of antioxidant system and formation of morphological structures like aerenchyms and adventitious roots. The M. minutiflora showed intolerant to flooding, showing a high sensitivity to the stress since 24 hs, and did not support periods higher than five days.All the tolerance characteristics showed by S. Virgata and P. Acuminatum were absent in this specie.
Esta pesquisa foi realizada com o objetivo de investigar o efeito do alagamento de plantas Sesbania virgata, Polygonum acuminatum e Melinis minutiflora, avaliando sua capacidade de adaptação às condições de alagamento. Para isso, plantas das três espécies, contendo seis folhas completamente expandidas, foram colocadas em tanques de alvenaria e submetidas às seguintes condições: controle (não alagado), alagamento das raízes e alagamento total das plantas. As avaliações foram realizadas no dia da indução do estresse e após 7, 14, 21, 28, 35, 42, 49 e 56 dias, para sesbania; 3, 6, 9, 12, 15, 18 e 21 dias, para erva-de-bicho e 1, 2, 3, 4 e 5 dias para capim-gordura. Após 15 dias de retorno ao ambiente normóxico, foi avaliada a sobrevivência das plantas. Também foram avaliados: crescimento vegetativo (altura, número de folhas, massa seca da parte aérea e raízes), teor de carboidratos, atividade de enzimas envolvidas com o metabolismo anaeróbico (desidrogenase do lactato, descarboxilase do piruvato e desidrogenase alcoólica), atividade de enzimas do sistema antioxidante (dismutase do superóxido, catalase, peroxidase do ascorbato, redutase do dehidroascorbato e redutase da glutationa), além da quantificação de componentes bioquímicos diretamente envolvidos com o estresse oxidativo, como o peróxido de hidrogênio, ascorbato, dehidroascorbato e peroxidação lipídica. Sesbania e erva-de-bicho são tolerantes ao alagamento, suportando períodos de 56 e 21 dias, respectivamente. As causas desta tolerância são: fotossíntese ativa durante o período de estresse; acúmulo e utilização de carboidratos nas folhas e raízes e manutenção do crescimento vegetativo; ativação do metabolismo anaeróbico, principalmente nos passos catalisados pelas enzimas descaboxilase do piruvato e desidrogenase alcoólica e ativação do sistema antioxidante e formação de estruturas morfológicas, tais como aerênquimas e raízes adventícias. Por outro lado, o capim-gordura mostrou-se intolerante ao alagamento, apresentando sensibilidade ao estresse a partir das primeiras 24 horas, não suportando períodos superiores a cinco dias. Todas as características de tolerância mostradas pela sesbania e erva-de-bicho foram ausentes nesta espécie.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2144
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções:DBI - Agronomia/Fisiologia Vegetal - Doutorado (Teses)



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.