Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DZO - Departamento de Zootecnia >
DZO - Programa de Pós-graduação >
DZO - Zootecnia - Mestrado (Dissertações) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2250

Title: Arginina na nutrição de matrizes suínas hiperprolíficas
???metadata.dc.creator???: Moreira, Rennan Herculano Rufino
???metadata.dc.contributor.advisor1???: Abreu, Márvio Lobão Teixeira de
???metadata.dc.contributor.advisor-co???: Ferreira, Rony Antonio
Cantarelli, Vinícius de Souza
???metadata.dc.contributor.referee1???: Saraiva, Alysson
???metadata.dc.description.concentration???: Nutrição e Produção de Não Ruminantes
Keywords: Aminoácido funcional
Desempenho
Lactação
Suíno
Functional amino acid
Lactation
Performance
Pig
???metadata.dc.date.submitted???: 28-Feb-2014
Issue Date: 2014
???metadata.dc.description.sponsorship???: Ajinomoto
Citation: MOREIRA, R. H. R. Arginina na nutrição de matrizes suínas hiperprolíficas. 2014. 50 p. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2014.
???metadata.dc.description.resumo???: Swine production has been developing, improving the production, in this way, new genetic lines have emerged, changing the nutritional requirements of swine. The use of functional amino acid is present in studies related with swine production. L-arginine being one of them considered functional because of their involvement in important metabolic pathways is very important in physiological process, protein synthesis, and as a precursor of nitric oxide, agmatine, urea, citrulline, creatine and helps with angiogenesis, which could have some influence in milk production. Furthermore, arginine stimulates the secretion of prolactin and growth hormone necessary for mammary development. Some authors suggested that nutritional manipulation of maternal diet with the supplementation of some amino acids such as arginine, can alter the nutritional profile of milk and provide better development in piglets. We evaluated the effect of supplementing the diet of lactating sows with L-arginine on productive and reproductive performance of multiparous sows in lactation and their litters. Seventy six sows of the same genetic line were used the trial were conducted in a commercial pig in Oliveira, Minas Gerais, Brazil. The experimental design was completely randomized, with three levels of supplementation of the diet with L- Arginine 0.5, 1.0, 1.5% and control (without supplementation), with 19 replicates each being the experimental unit the sow and her litter. The supply of amino acid was made "on top". The best level of supplementation with L-arginine in the diet was estimated by linear and quadratic regression or as fitting the data. The data relating the days of lactation was compared by Tukey test (5%). The levels of L-arginine supplementation in the lactation diet sows did not affect (P>0.05) performance variables, body condition, milk production and weaning-to-estrus. There was a quadratic effect (P<0.05) in the percentage of protein and fat from milk, as well as the daily milk production of these components. However, the amino acid profile of milk was not affected (P>0.05). There was a significant effect (P<0.05) on days of lactation, percentage of protein, fat and amino acids in the milk of sows which reduced as function of days of lactation. The supply with L-arginine quadratically (P<0.05) affected the weight of the piglets at 13 and at 21 days of age, which increased up to the levels of L-arginine supplementation in the diet of 0.64 and 0.71%, respectively. In the same way the levels of L-arginine supplementation influenced (P<0.05), the quadratic form, the weight gains of piglets during the first 13 days and total lactation period, which increased respectively to levels estimated of 0.60 and 0.70%. The supplementation with 0.70% L-arginine, corresponding to 45 g / day, in the lactation diet improves weight gain of piglets therefore improves the nutritional quality of sows milk.
A suinocultura tem evoluído, tecnificando sua produção. Com isso, surgiram novas linhagens, alterando as exigências nutricionais dos suínos. A utilização de aminoácidos funcionais está presente em estudos relacionados à suinocultura, sendo a L-Arginina um deles, que é considerada funcional, devido ao seu envolvimento em vias metabólicas importantes, é muito importante nos processos fisiológicos, síntese proteica, precursora do óxido nítrico, agmatina, ureia, citrulina, creatina e atua na angiogênese, que pode influenciar a capacidade de produção de leite. Além disso, a arginina estimula a secreção de prolactina e hormônio do crescimento, necessários para o desenvolvimento mamário. Tem-se sugerido que a manipulação nutricional da ração materna, com a suplementação de aminoácidos, como a arginina, pode alterar o perfil nutricional do leite e proporcionar melhor desenvolvimento aos leitões. O leite das matrizes suínas supre menos de 40% do total de arginina exigida por leitões. Avaliou-se o efeito da suplementação da ração de lactação com L-Arginina sobre o desempenho produtivo e reprodutivo de matrizes suínas pluríparas, em lactação e de suas respectivas leitegadas. Foram usadas 76 matrizes suínas de mesma linhagem genética de uma granja comercial, localizada no município de Oliveira, MG. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, com três níveis de suplementação da ração com L-Arginina 0,5; 1,0; 1,5% e o controle (sem suplementação), com 19 repetições cada, sendo a unidade experimental a matriz e sua leitegada. A suplementação do aminoácido foi feita na forma on top. O melhor nível de L-Arginina suplementar na ração foi estimado por meio de análise de regressão linear e ou quadrática, conforme ajustamento dos dados. Os dados referentes aos dias de lactação foram comparados pelo teste Tukey (5%). Os níveis de suplementação de L-Arginina na ração de lactação não influenciaram (P>0,05) as variáveis de desempenho, de condição corporal, a produção de leite e o intervalo desmame-estro das matrizes. Houve efeito (P<0,05) quadrático na porcentagem de proteína e de gordura do leite, bem como na produção diária desses componentes do leite das matrizes. Porém, o perfil aminoacídico do leite não foi influenciado (P>0,05). Houve efeito (P<0,05) dos dias de lactação sobre a porcentagem de proteína, de gordura e de aminoácidos no leite das matrizes, que reduziram em função dos dias de lactação. A suplementação da ração com L-Arginina influenciou (P<0,05) de forma quadrática, o peso dos leitões aos 13º e aos 21º dias de idade, que aumentaram até os níveis estimados de suplementação de L-Arginina na ração de 0,64 e 0,71%, respectivamente. Assim, como os níveis de suplementação de L-Arginina influenciaram (P<0,05), de forma quadrática, os ganhos de peso dos leitões, nos primeiros 13 dias e no período total da lactação, os quais aumentaram, respectivamente, até os níveis estimados de 0,60 e 0,70%. A suplementação com 0,70% de L-Arginina, correspondente a 45 g/dia, na ração de lactação, melhora o ganho de peso dos leitões, pois, melhora a qualidade nutricional do leite das matrizes.
Description: Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia, área de Nutrição e Produção de Não Ruminantes, para a obtenção do título de Mestre.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2250
Publisher: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
???metadata.dc.language???: pt_BR
Appears in Collections:DZO - Zootecnia - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
DISSERTAÇÃO_Arginina na nutrição de matrizes suínas hiperprolíficas.pdf440.41 kBAdobe PDFView/Open

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.


View Statistics

 


DSpace Software Copyright © 2002-2010  Duraspace - Feedback