Buscar

 

RI UFLA (Universidade Federal de Lavras) >
DCA - Departamento de Ciência dos Alimentos >
DCA - Programa de Pós-graduação >
DCA - Ciência dos Alimentos - Doutorado (Teses) >

Por favor, utilize esse identificador para citar este item ou usar como link: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/4616

Título: Diversidade microbiana e caracterização físico química de bebidas produzidas pelos indígenas umutina - Brasil: chicha de arroz e de bacaba
Título Alternativo: Microbial diversity and physicochemical characterization of beverages produced by Umutina indígenas - Brazil: rice and bacaba chicha
Autor(es): Puerari, Cláudia
Orientador: Schwan, Rosane Freitas
Coorientador(es): Silva, Carmen Lucia da
Membro da banca: Dias, Disney Ribeiro
Almeida, Euziclei Gonzaga de
Guedes, Karina Teixeira Magalhães
Piccoli, Roberta Hilsdorf
Área de concentração: Ciência dos Alimentos
Assunto: Fermentação
Bebida indígena
Comunidade microbiana
PCR-DGGE
Fermentation
Indigenous beverage
Microbial community
PCR-DGGE
Data de Defesa: 29-Jul-2014
Data de publicação: 2014
Agência de Fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG)
Referência: PUERARI, C. Diversidade microbiana e caracterização físico química de bebidas produzidas pelos indígenas umutina - Brasil: chicha de arroz e de bacaba. 2014. 106 p. Tese (Doutorado em Ciência dos Alimentos) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2014.
Resumo: A chicha é uma bebida tradicional produzida a partir de diversos substratos, como o arroz, abóbora, milho, polvilho de mandioca e bacaba, pelos indígenas Umutina, no Brasil. Sua preparação pode incluir uma etapa de fermentação, mas a bebida também pode ser consumida não fermentada. A fermentação da chicha ocorre de forma espontânea, pela ação dos microrganismos naturalmente presentes na matéria prima e no ambiente em que a bebida é produzida. A chicha de arroz fermentada foi analisada para determinar os microrganismos envolvidos nos diferentes tempos de fermentação e a dinâmica microbiana foi avaliada utilizando combinação de métodos moleculares dependentes e independentes de cultivo. A composição nutricional da bebida e as modificações bioquímicas envolvidas na fermentação foram investigadas. Foi encontrada uma comunidade bacteriana complexa, que muda em estrutura e composição durante o processo fermentativo, como sendo responsável pela fermentação. As bactérias presentes na fermentação pertencem aos gêneros Lactobacillus, Bacillus, Leuconostoc, Enterococcus, Streptomyces, Enterobacter, Acinetobacter, Escherichia, Cronobacter e Klebsiella. Análises independentes de cultivo mostraram a presença de espécies não cultiváveis, Bifidobacterium, Propionibacterium e fungos. O valor de pH decresceu de 5,2 (tempo 0) para 3,9 após 36 h de fermentação em função da produção de ácido lático e ácido cítrico. Não foi detectada a produção de etanol. A chicha de bacaba foi preparada para ser consumida sem fermentação. No entanto, a microbiota presente na superfície da bacaba promove fermentação espontânea no período pós-colheita, entre a coleta e o preparo da bebida (período de aproximadamente 30h). Foram detectadas bactérias do ácido lático (BAL) nas análises dependentes de cultivo, sendo a microbiota composta por Enterococcus hormaechei, Pantoea dispersa e Leuconostoc lactis. As leveduras presentes foram Pichia caribbica e Pichia guilliermondii. Pichia caribbica também foi detectada na análise independente de cultivo, além de Propionibacterium avidum, Acetobacter sp., e bactérias não cultiváveis. A fermentação pós-colheita altera as características sensoriais da bebida de bacaba devido à produção de metabólitos pelos microrganismos, tendo sido identificados ácido succínico (2,69g L-1), ácido acético (0,9g L-1) e ácido cítrico (0,49g L-1). A chicha de bacaba pode contribuir com quantidade substancial de gordura (2,2±0,0g 100 mL-1) e de carboidratos (10,87±0,26g 100 mL-1) para a dieta, apresentando valor energético de 76,7 Kcal 100 mL-1.
Chicha is a traditional beverage produced using a several substrates as rice, pumpkim, cassava and bacaba by indigenous Umutina people in Brazil. This beverage can be produced with or without fermentation. The fermentation occurs spontaneously, caused by microorganisms naturally found in raw materials and environmental during the beverage production. The rice beverage was analysed to investigate the microbial community dynamic at different fermentation times by culture-based and culture-independent approaches. The nutritional composition and biochemical changes was analysed. A complex bacterial community that changed in structure and composition during the fermentative process assisted the fermentation. The dominant bacteria presented during the fermentation was Lactobacillus, Bacillus, Leuconostoc, Enterococcus, Streptomyces, Enterobacter, Acinetobacter, Escherichia, Cronobacter and Klebsiella. DGGE shows species not cultivable, Bifidobacterium, Propionibacterium and fungus. The pH value decrease from 5.2 (time zero) to 3.9 after 36 h of fermentation since lactic and citric acid was produced by microorganisms. Ethanol was not detected. Bacaba chicha was prepared without fermentation. The microbiote presents at the fruit surface starts a spontaneous postharvest fermentation, at the period between the fruit collection and the beverage production (approximately 30 h). Lactic acid bacteria LAB were detected by plating, been composed by Enterococcus hormaechei, Pantoea dispersa and Leuconostoc lactis. The dominant yeast were Pichia caribbica and Pichia guilliermondii. Pichia caribbica, Propionibacterium avidum, and Acetobacter spp. were detected using PCR-DGGE. The postharvest fermentation changes the sensorial characteristics in bacaba beverage since microorganism produces metabolites as succinic acid (2.69g L-1), acetic acid (0.9g L-1) and citric acid (0.49g L-1). The bacaba chicha can contributes with a substantial amount of fat (2.2 ±0.0 g 100 mL-1) and carbohydrates (10.87±0.26 g 100 mL-1) to the diet, showing an energetic value 76.7 Kcal 100 mL-1.
Informações adicionais: Tese apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Ciência dos Alimentos, para obtenção do título de Doutor.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/4616
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções: DCA - Ciência dos Alimentos - Doutorado (Teses)

Arquivos neste Item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
TESE_Diversidade microbiana e caracterização físico química de bebidas produzidas pelos indígenas umutina - Brasil chicha de arroz e de bacaba.pdf1,67 MBAdobe PDFVer/abrir

Itens protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, Salvo indicação em contrário.


Mostrar estatísticas

 


DSpace Software Copyright © 2002-2007 MIT and Hewlett-Packard - Feedback