Use este identificador para citar ou linkar para este item: repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2251
Título: Suplementação de vitamina e na alimentação de tambacus (Colossoma macropomum x Piaractus mesopotamicus)
Título(s) alternativo(s): Supplementation of vitamin e in feed for tambacus (Colossoma macropomum x Piaractus mesopotamicus)
Autor : Gonçalves, Antônio Carlos Silveira
Primeiro orientador: Murgas, Luis David Solis
metadata.teses.dc.contributor.advisor-co: Logato, Priscila Vieira Rosa
Primeiro membro da banca: Ribeiro, Paula Adriane Perez
Teixeira, Edgar de Alencar
Navarro, Rodrigo Diana
Área de concentração: Produção animal
Palavras-chave: Atividade enzimática
Desempenho
Suplemento
Peixe
Supplement
Performance
Enzymatic activity
Fishes
Data da publicação: 6-Ago-2014
Referência: GONÇALVES, A. C. S. Suplementação de vitamina E na alimentação de tambacus (Colossoma macropomum x Piaractus mesopotamicus). 2009. 69 p. Dissertação (Mestrado em Zootecnia)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2009.
Resumo: Os peixes necessitam de alimentos ricos em nutrientes essenciais a seu metabolismo para manutenção e produção, como as vitaminas e os minerais. Dessa forma, objetivou-se determinar a exigência de vitamina E para o híbrido tambacu (C. macropomum x P. mesopotamicus), suplementada na ração, com inclusão de selênio, observando variáveis de desempenho: peso final, comprimento total, comprimento padrão, ganho de peso, ganho de peso médio, taxa de eficiência protéica, conversão alimentar aparente e índices viscerossomático e hepatossomático; variáveis hematológicas: número de eritrócitos, % de hematócrito, taxa de hemoglobina, volume corpuscular médio e concentração de hemoglobina corpuscular média; e atividade enzimática da glutationa peroxidase. O experimento foi realizado na Estação de Piscicultura da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Brasil, com duração de 65 dias. Foram utilizados 250 tambacus com peso e comprimento médios iniciais de 12,12 g e 8,92 cm, respectivamente, divididos em 25 caixas (100 L), abastecidas por sistema fechado de recirculação com filtragem biológica, fluxo contínuo de água, controle de temperatura. Os peixes foram alimentados duas vezes ao dia (08:00-16:00 h), sendo a taxa de arraçoamento de 2,5% do peso vivo, reajustada semanalmente. Para dieta basal foi feita ração peletizada com 32% de PB e 3300 kcal de ED kg-1, com inclusão de 0,40 mg de Se kg-1 da ração. As dietas teste (isoprotéicas e isoenergéticas) foram compostas de dieta basal + níveis crescentes de vitamina E (0, 100, 200, 300, 400 mg kg-1 de dieta), em delineamento inteiramente casualizado, com cinco tratamentos e cinco repetições. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância, com as médias dos tratamentos comparadas pelo teste SNK (P<0,05). Relacionados ao desempenho, os níveis de suplementação de vitamina E na alimentação dos tambacus não influenciaram de forma significativa (P>0,05) o comprimento total e índices viscerossomático e hepatossomático. Houve resposta significativa (P<0,05) para peso final e conversão alimentar aparente, em que os animais, recebendo suplementação da vitamina E (a partir de 100 mg), foram mais eficientes no desenvolvimento e aproveitamento da dieta. Para resposta de comprimento padrão, ganho de peso, ganho de peso diário e taxa de eficiência protéica foi necessário o nível de 400 mg de vitamina E para melhora no crescimento e aproveitamento de proteína da ração. As variáveis sanguíneas não apresentaram alterações significativas (P>0,05), indicando que os peixes apresentavam-se em equilíbrio fisiológico, livres de doenças. Quanto à atividade enzimática da glutationa peroxidase, não houve efeito significativo (P>0,05) entre os tratamentos, evidenciando que a vitamina E não está diretamente relacionada com a enzima. Para obtenção de resposta positiva na produção de tambacus na fase inicial, foi necessária uma dose mínima de 100 mg de vitamina E kg-1 suplementada na dieta.
Fish need foods richer in essential nutrients to metabolism for maintenance and production, such as vitamins and minerals. Thus, the objective of this study was to determine vitamin E requirement for hybrid Tambacu (C. macropomum x P. mesopotamicus), supplemented in the diet, with inclusion of selenium, observing the performance variables: final weight, total length, standard length, weight gain, average weight gain, protein efficiency rate, feed conversion and apparent hepatosomatic index; haematological variables: number of erythrocytes,% of hematocrit, hemoglobin level, mean corpuscular volume and mean corpuscular hemoglobin concentration, and enzyme activity of glutathione peroxidase. The experiment was conducted at the Fish Station of Federal University of Lavras (UFLA), Brazil, with 65 days of duration. 250 tambacus were used with initial average weight and length of 12.12 g and 8.92 cm, respectively, divided by 25 boxes (100 L), supplied with recirculation closed system with biological filtration, continuous water flow, control of temperature. Fish were fed twice daily (08:00-16:00 h), and the rate of food 2.5% of body weight, adjusted weekly. For basal diet, was used pelleted diet with 32% CP and 3300 kcal DE kg-1, with inclusion of 0.40 mg of Se kg-1 of ration. The test diets (isonitrogenous and isoenergetic) were composed of basal diet with increasing levels of vitamin E (0, 100, 200, 300, 400 mg kg-1 of diet), in entirely randomized delimitation with five treatments and five repetitions. Data were submitted to variance analysis, with treatments averages compared by SNK test (P<0.05). Related to performance, levels of vitamin E in feed for tambacus not affected significantly (P>0.05) the total length, viscerosomatic and hepatosomatic index. There was a significant response (P<0.05) for final weight and feed conversion apparent in the animals receiving vitamin E supplementation (from 100 mg) were more efficient in the development and use of the diet. Response to standard length, weight gain, daily weight gain and protein efficiency rate was necessary to the level of 400 mg of vitamin E to improve the growth and use of the protein diet. The blood variables showed no significant changes (P>0.05), indicating that the fish presented with physiological balance, free of diseases. In the case of enzymatic activity of glutathione peroxidase, there was no significant effect (P>0.05) between treatments, showing that vitamin E is not directly related to the enzyme. To get positive response in tambacus in the initial phase production was required a minimum dose of 100 mg of vitamin E kg-1 supplemented in diet.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/2251
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções:DZO - Zootecnia - Mestrado (Dissertações)



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.