Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/28741
metadata.artigo.dc.title: Mecanismos anatômicos e fisiológicos de plantas de aguapé para a tolerância à contaminação por Arsênio
metadata.artigo.dc.title.alternative: Anatomical and physiological mechanisms of water hyacinth plants to arsenic contamination tolerance
metadata.artigo.dc.creator: Pereira, Fabrício Jose
Castro, Evaristo Mauro de
Oliveira, Cynthia de
Lira, Marinês Ferreira Pires
Pasqual, Moacir
metadata.artigo.dc.subject: Eichhornia crassipes
Anatomia ecológica
Sistema antioxidante
Fotossíntese
Ecological anatomy
Antioxidant system
Photosynthesis
metadata.artigo.dc.publisher: Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas
metadata.artigo.dc.date.issued: 2011
metadata.artigo.dc.identifier.citation: PEREIRA, F. J. et al. Mecanismos anatômicos e fisiológicos de plantas de aguapé para a tolerância à contaminação por Arsênio. Planta Daninha, Viçosa, MG, v. 29, n. 2, p. 259-267, 2011.
metadata.artigo.dc.description.resumo: Este trabalho teve como objetivo a avaliação das características anatômicas e fisiológicas de aguapé (Eichhornia crassipes) em resposta ao estresse por arsênio. As plantas de aguapé foram cultivadas em solução nutritiva hidropônica de Hoagland em casa de vegetação sob cinco concentrações de arsênio: 0,0; 0,25; 0,5; 1,0; e 2,0 mg L-1 por período de 20 dias. As plantas demonstraram aumento na taxa fotossintética, na condutância estomática, na transpiração e na relação Ci/Ca, bem como na atividade de todas as enzimas do sistema antioxidante, com maior atividade nas folhas em relação às raízes nos tratamentos contendo arsênio. As características anatômicas das folhas das plantas sob as maiores concentrações de arsênio mostraram aumento na densidade estomática, no índice estomático e na espessura do parênquima esponjoso. A anatomia radicular não evidenciou alterações decorrentes da intoxicação por arsênio e modificações nas características do xilema e floema, porém não houve prejuízos à sua estrutura e função. Dessa forma, o estresse por intoxicação pelo arsênio, nas concentrações testadas, não é evidente nas plantas de E. crassipes, e os mecanismos de tolerância são relacionados com modificações na anatomia e fisiologia das plantas.
metadata.artigo.dc.description.abstract: This work aimed to evaluate the anatomical and physiological characteristics of Eichhornia crassipes in response to arsenic stress. Plants of E. crassipes were grown in Hoagland hydroponic nutritive solution under greenhouse conditions at five arsenic levels: 0.0, 0.25, 0.50, 1.0 and 2.0 mg L-1 during 20 days. The plants showed an increase in photosynthetic rate, stomatal conductance, transpiration and Ci/Ca rate, as well as in the activity of all the enzymes in the antioxidant system, with higher activity in the leaves than in the roots, in all the treatments with arsenic. The anatomical characteristics observed on the leaves of the plants under higher arsenic levels showed an increase in stomatal density, stomatal index and spongy parenchyma thickness. Root anatomy showed no toxic evidences at any arsenic level; changes in the xylem and phloem characteristics were exhibited by the roots in the arsenic treatments, but no damage was caused to its structure and function. Thus, stress caused by arsenic intoxication at the levels tested, is not evident on E. crassipes plants, and the mechanisms of tolerance of E. crassipes are associated to anatomical and physiological changes.
metadata.artigo.dc.identifier.uri: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/28741
metadata.artigo.dc.language: pt_BR
Appears in Collections:DAG - Artigos publicados em periódicos
DBI - Artigos publicados em periódicos



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons