Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3345
metadata.teses.dc.title: Incidência de Fungos e Aflatoxinas em Arroz (Oriza sativa L.)
metadata.teses.dc.creator: Carvalho, Rosilane Aparecida de
metadata.teses.dc.contributor.advisor1: Batista, Luis Roberto
metadata.teses.dc.contributor.referee1: Chalfoun, Sara Maria
Prado, Guilherme
metadata.teses.dc.subject: Arroz - Doenças e pragas
Micotoxinas
Arroz - Fungos
Aflatoxicoses
metadata.teses.dc.date.issued: 29-Aug-2014
metadata.teses.dc.identifier.citation: CARVALHO, R. A. de. Incidência de fungos e aflatoxinas em arroz (Oriza sativa L.). 2008. 54 p. Dissertação (Mestrado em Ciência dos Alimentos)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2008.
metadata.teses.dc.description.resumo: O arroz é consumido pela metade da população mundial. A forma como o arroz é consumido no Brasil é polido, integral e parboilizado, além do arroz de cultivo orgânico. O arroz integral sofre apenas a retirada da casca, sendo que a película permanece. O parboilizado sofre tratamento hidrotérmico objetivando o enriquecimento do grão, através da migração dos nutrientes das partes exteriores para o centro do grão. O polido sofre brunição com a retirada da casca e da película, que é a camada de farelo, isso justifica sua menor constituição nutricional. Devido à presença rica em nutrientes, o arroz é substrato propício para o crescimento fúngico, principalmente quando as práticas de pós-colheita não são devidamente observadas, assim pode ocorrer ou não a produção de micotoxinas, devendo-se para isso haver certas condições tais como determinadas faixas de temperatura e umidade. Este trabalho objetivou identificar a microbiota fúngica em arroz (Oriza sativa L.) comercializado em Lavras-MG e cidades do sul do estado, analisar o potencial aflatoxigênico das espécies da Seção Flavi isoladas e identificadas e verificar nas amostras de arroz os níveis de aflatoxinas B1, B2, G1 e G2. As amostras de 1 a 5 Kg foram adquiridas em Lavras -MG e cidades do sul do estado sendo um total de 60 amostras do grupo beneficiado, subdivididas em subgrupo polido (48), parboilizado (3), integral (7) e orgânico (2). A incidência fúngica foi avaliada pelo plaqueamento direto, o potencial toxigênico pela técnica de Plug Ágar e a presença de aflatoxinas em arroz pela técnica CLAE. As espécies fúngicas mais incidentes em arroz foram: A. candidus, A.flavus, A.parasiticus, A.foetidus, A.niger e A. níger "Agregados. Dos 17 isolados de A.parasiticus testados 14 eram aflatoxigênicos e dos 31 isolados de A.flavus testados 8 eram aflatoxigênicos. Das 36 amostras testadas apenas uma estava contaminada com aflatoxina B1 com um nível de 1,2 μg Kg-1 .Estes resultados indicam que o arroz analisado e comercializado em Lavras e região sul do estado de Minas Gerais apresentou baixo índice de contaminação. No Brasil, não há legislação específica para o arroz. Portanto, em países europeus a legislação prevê até 2 ug/Kg para o nível de aflatoxina B1 em cereais.
metadata.teses.dc.identifier.uri: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3345
metadata.teses.dc.publisher: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
metadata.teses.dc.language: pt_BR
Appears in Collections:DCA - Ciência dos Alimentos - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_Incidência de Fungos e Aflatoxinas em Arroz (Oriza sativa L.).pdf315,64 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.