Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3175
Título: Uso de cloreto de benzalcônio na pré-colheita e suas interações com a colheita e pós-colheita na qualidade do café
Autor : Fernandes, Marcio
Primeiro orientador: Borém, Flávio Meira
Primeiro membro da banca: Chalfoun, Sara Maria
Reinato, Carlos Henrique Rodrigues
Giomo, Gerson Silva
Chagas, Sílvio Júlio de Rezende
Palavras-chave: Café - Colheita
Café - Pós-colheita
Café - Qualidade
Data da publicação: 22-Ago-2014
Referência: FERNANDES, M. Uso de cloreto de benzalcônio na pré-colheita e suas interações com a colheita e pós-colheita na qualidade do café. 2008. 91 p. Tese (Doutorado em Ciência dos Alimentos)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2008.
Resumo: O presente trabalho foi realizado com o objetivo geral de estudar a qualidade sanitária, físico-química e sensorial em cafés (Coffea arabica L.). O delineamento experimental foi arranjado em um esquema fatorial triplo de 4x4x2, sendo 4 tipos de colheitas, (colheita A, colheita B, colheita C e colheita D, caracterizadas por colheita da parte superior da planta, da planta inteira com 25% de verde, parte inferior da planta e planta inteira colhida em meados de junho; 4 tipos de processamentos (cereja descascado, cereja + verde, roça e Boia) e 2 níveis de aplicação, com presença e ausência de cloreto de benzalcônio, totalizando 32 tratamentos em 3 repetições. A análise química sobre a qualidade apresentou maior contribuição da componente principal 1, com maior percentual em açúcares redutores, açúcares não redutores, condutividade elétrica e sólidos solúveis, respectivamente e, na componente principal 2, a maior contribuição foi pela acidez titulável, ambas em cafés sem defeito. A análise da qualidade do café em relação ao fungo Fusarium sp. apresentou menor índice de ocorrência pelo tipo de colheita A e processamento cereja descascado e maior índice de ocorrência na colheita B nas amostras de cafés cereja + verde, com presença de cloreto de benzalcônio. Na ausência de cloreto de benzalcônio, o menor e o maior índice de ocorrência originaram-se do mesmo tipo de processamento, cereja descascado para os tipos de colheitas D e C, respectivamente. Na análise sensorial, o grupo A apresentou maior grau de similaridade, destacando-se uma amostragem de bebidas de melhor qualidade em relação às demais pelo tipo de processamento cereja descascado. Concluiu-se que os fungos do gênero Fusarium sp. apresentaram elevados índices de ocorrência, influenciando negativamente na qualidade da bebida e a presença de cloreto de benzalcônio não interferiu significativamente no índice de ocorrência de fungos e melhoria da qualidade do café. O processamento cereja descascado elimina microrganismos e é o método que mais contribui para a melhoria da qualidade da bebida nas condições da instalação deste experimento.
O presente trabalho foi realizado com o objetivo geral de estudar a qualidade sanitária, físico-química e sensorial em cafés (Coffea arabica L.). O delineamento experimental foi arranjado em um esquema fatorial triplo de 4x4x2, sendo 4 tipos de colheitas, (colheita A, colheita B, colheita C e colheita D, caracterizadas por colheita da parte superior da planta, da planta inteira com 25% de verde, parte inferior da planta e planta inteira colhida em meados de junho; 4 tipos de processamentos (cereja descascado, cereja + verde, roça e Boia) e 2 níveis de aplicação, com presença e ausência de cloreto de benzalcônio, totalizando 32 tratamentos em 3 repetições. A análise química sobre a qualidade apresentou maior contribuição da componente principal 1, com maior percentual em açúcares redutores, açúcares não redutores, condutividade elétrica e sólidos solúveis, respectivamente e, na componente principal 2, a maior contribuição foi pela acidez titulável, ambas em cafés sem defeito. A análise da qualidade do café em relação ao fungo Fusarium sp. apresentou menor índice de ocorrência pelo tipo de colheita A e processamento cereja descascado e maior índice de ocorrência na colheita B nas amostras de cafés cereja + verde, com presença de cloreto de benzalcônio. Na ausência de cloreto de benzalcônio, o menor e o maior índice de ocorrência originaram-se do mesmo tipo de processamento, cereja descascado para os tipos de colheitas D e C, respectivamente. Na análise sensorial, o grupo A apresentou maior grau de similaridade, destacando-se uma amostragem de bebidas de melhor qualidade em relação às demais pelo tipo de processamento cereja descascado. Concluiu-se que os fungos do gênero Fusarium sp. apresentaram elevados índices de ocorrência, influenciando negativamente na qualidade da bebida e a presença de cloreto de benzalcônio não interferiu significativamente no índice de ocorrência de fungos e melhoria da qualidade do café. O processamento cereja descascado elimina microrganismos e é o método que mais contribui para a melhoria da qualidade da bebida nas condições da instalação deste experimento.
URI: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/3175
Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções:DCA - Ciência dos Alimentos - Doutorado (Teses)



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.