Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/31867
metadata.artigo.dc.title: Má-fé e inconsciente: sobre a crítica de Sartre a Freud em "o ser e o nada"
metadata.artigo.dc.creator: Silveira, Léa
metadata.artigo.dc.subject: Má-fé (Direito)
Resistência
Ego (Psicologia)
Censura
Metapsicologia
Bad faith (Law)
Ego (Psychology)
Censorship
metadata.artigo.dc.publisher: Universidade Federal do Paraná
metadata.artigo.dc.date.issued: 2016
metadata.artigo.dc.identifier.citation: SILVEIRA, L. Má-fé e inconsciente: sobre a crítica de Sartre a Freud em "o ser e o nada". Dois Pontos, Curitiba, v. 13, n. 3, p. 39-55, dez. 2016.
metadata.artigo.dc.description.resumo: O artigo pretende fazer uma crítica da crítica que Sartre dirige a Freud a propósito de sua introdução do problema da má-fé em O ser e o nada. Para tanto, ele é composto de cinco etapas: 1) procura mostrar, ainda que muito brevemente, como a má-fé vem a ser colocada como questão no ensaio sobre a ontologia fenomenológica; 2) retoma as características que o filósofo, no início do capítulo 2 da primeira parte da obra, atribui à má-fé numa relação tanto de aproximação quanto de contraste com a mentira; 3) acompanha os passos pelos quais Sartre, nes-se mesmo lugar da obra, constrói suas críticas a Freud; 4) sustenta que tais críticas resultam de uma má leitura da teoria freudiana, especialmente no que diz respeito às questões da resistência, do Eu, da censura e da compreensão dos processos inconscientes como coisa natural; 5) indica, ao final, como a tensão entre ser e aparência pode suge-rir, após certas mediações, uma certa leitura da natureza epistemológica da metapsicologia.
metadata.artigo.dc.description.abstract: This paper aims to criticize the critique Sartre addresses Freud regarding his introduction to the problem of bad faith in Being and Nothingness. In order to do so, it is divided in fivesteps: 1- to show, albeit very briefly, how bad faith is to be placed as a question in the essay on phenomenological ontology; 2- to follow the features that the philosopher attributes to bad faith in a relation to the act of lying at the beginning of Chapter 2 of the first part of the book; 3- to trail the steps by which Sartre, in the same place of the book, builds his criticism of Freud; 4- to vindicate that such criticisms stem from a misreading of Freudian theory, especially with regard to the issues of re-sistance, of the concepts of Ego and censorship and of the understanding of the unconscious processes as a natural thing; 5- indicates, at the end, as the tension between being and appearance may suggest, after certain mediations, a certain reading of the epistemological nature of metapsychology.
metadata.artigo.dc.identifier.uri: https://revistas.ufpr.br/doispontos/article/view/46396
http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/31867
metadata.artigo.dc.language: pt_BR
Appears in Collections:DCH - Artigos publicados em periódicos

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.