Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/29639
metadata.artigo.dc.title: Nas (in)definições de livro, leitor e leitura: uma multiplicidade de espaços e sentidos
metadata.artigo.dc.title.alternative: In (in)definitions to book, reader and reading: a multiplicity of spaces and senses
metadata.artigo.dc.creator: Goulart, Ilsa do Carmo Vieira
Lobo, Dalva de Souza
metadata.artigo.dc.subject: Livros
Leitura
Leitores
Construção de sentido
Books
Reading
Reader
Production of senses
metadata.artigo.dc.publisher: Universidade Federal de Alagoas
metadata.artigo.dc.date.issued: Jul-2016
metadata.artigo.dc.identifier.citation: GOULART, I. do C. V.; LOBO, D. de S. Nas (in)definições de livro, leitor e leitura: uma multiplicidade de espaços e sentidos. Revista Leitura, Alagoas, v. 2, n. 56, p. 5-25, jul./dez. 2016.
metadata.artigo.dc.description.resumo: Este trabalho considera que a palavra escrita ultrapassa a bidimensionalidade do papel ao ser interpretada, mutilada, reencenada e, por vezes, ironicamente esquecida no texto, ou pelas múltiplas leituras que, não raro, são feitas por um mesmo leitor em diferentes momentos de sua história, ou ainda em distintos estados de humor, age em abertura de espaços, outros, na produção de sentidos. O artigo objetiva refletir sobre as representações estabelecidas na relação entre o leitor e a leitura, por intermédio do livro, tecidas a partir de uma rede discursiva que tramita essa tríade. A reflexão apresenta uma aproximação entre diferentes ideias, conceitos ou imagens que insinuam as (in)definições a partir de proposições a respeito do livro enquanto objeto mediador da ação leitora. Para tanto, com base no conceito de obra aberta de Eco, toma-se como fundamento argumentativa a questão da materialidade do livro posta por Chartier, a noção de “rizoma” de Deleuze e Guattarri e a reflexão de experiência descrita por Benjamin e Larrosa.
metadata.artigo.dc.description.abstract: This work considers that the written word exceeds the two-dimensional of the role to be played, mutilated, reenacted and sometimes ironically forgotten in the text, or for multiple readings that often are made by the same player at different times in its history, or even in different moods, others, in the production of meaning. The article aims to reflect on the established representations in the relationship between the reader and reading through the book, woven from a discursive network that clears this triad. To do so, from the concept of open work of Eco, as argumentative basis the question of materiality of the book placed by Chartier, the concept of "rhizome" of Deleuze and Guattari, and the reflection of experience described by Benjamin in dialogue with Larrosa.
metadata.artigo.dc.identifier.uri: http://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/2325
http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/29639
metadata.artigo.dc.language: pt_BR
Appears in Collections:DED - Artigos publicados em periódicos

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.